Em Rio Preto, 78% dos professores votam por greve; grupo de pais cobra aula presencial

O Sindicato dos Professores de Rio Preto que representa docentes das escolas privadas, creches conveniadas à Prefeitura, ensino superior e Sesi e Senai fez uma assembleia virtual na terça-feira (9) e decidiu pela deliberação da greve a partir desta sexta (12).

Segundo a Diretora do Sinpro (Sindicato dos Professores), Professora Letícia, 78% dos votos dos professores foram a favor da greve para atividades laborais presenciais com a manutenção do trabalho remoto. A greve reivindica o trabalho remoto para se obter o controle da pandemia e a segurança para poder voltar ao trabalho presencial.

Dhoje Interior

“Toda a Educação Básica tem o direito de aderir à greve, porque foi uma deliberação soberana. Mas essa greve é somente da Educação Básica, ou seja, não vale para o ensino superior privado”, explica.

O Sindicato divulgou um vídeo onde recrimina veementemente o retorno das aulas presenciais e explica os motivos. “Ninguém quer as crianças fora das escolas, ainda mais por tanto tempo. Nós somos os primeiros a sentir saudade delas, mas, voltar agora é uma irresponsabilidade e é perigoso. Alguns podem argumentar: mas bares e shoppings estão abertos, porque as escolas devem permanecer fechadas? A gente não pode argumentar em cima de um erro”, diz trecho do vídeo.

Letícia ainda continua. “Cobrar do governo, dos grandes empresários, dos banqueiros e do Congresso é uma tarefa da nossa classe e nós não vamos pagar com a nossa vida essa conta que não é nossa. Aula presencial só com vacina e com controle da pandemia”, finaliza.

Escolas Municipais

Em contrapartida, as escolas municipais de Rio Preto se mantém somente com as aulas remotas, o que está gerando desconforto em alguns pais e responsáveis, por isso, eles criaram um manifesto virtual de apoio à ação popular pela reabertura das escolas.

Foi feito também um Instagram com o nome @escolasabertas.riopreto, que já tem mais de mil seguidores, justamente para divulgar este manifesto virtual aliado à posts que declaram o apoio no retorno às aulas presenciais.

O grupo gerou um abaixo-assinado on-line que conta com uma nota explicando os motivos de serem a favor deste retorno presencial.

Em um trecho da nota, eles alegam que a escola é serviço essencial. “Somos pais e cidadãos que acreditam que a Escola é serviço essencial, pois promove, além do aprendizado, o bem estar físico e psíquico da criança e do adolescente, sendo esta uma responsabilidade do Governo, Município e da família”.

“Sabemos que no início da pandemia havia uma incerteza e dificuldade de lidar com o vírus, por isso, foi determinado o fechamento de todas as escolas a fim de conter o avanço da doença e evitar o colapso do sistema de saúde. No entanto, passaram-se 11 meses e muitos avanços, estudos e pesquisas médicas e científicas comprovam que as crianças se infectam menos e raramente transmitem o Covid-19”, diz a nota do abaixo-assinado.

Algumas exigências e reivindicações foram postadas no abaixo-assinado:

– retomada das aulas presenciais gradualmente, seguindo o Plano SP e todos os protocolos de higiene e distanciamento;

– melhorias no ensino remoto, garantindo a regularidade de aulas diárias e ao vivo com o professor, deixando-as gravadas como opção para as famílias que não levarem seus filhos às escolas presencialmente;

– fornecimento de meios digitais para o trabalho virtual dos professores, como pacotes de dados e equipamentos eletrônicos necessários;

– acolhimento semanal e reforço com a criança que não tem acesso à internet;

– utilizar os espaços da Cidade das Crianças e Parques Ecológicos para atividades ao ar livre em regime de agendamento e revezamento;

– garantir a manutenção do kit alimentação integral para todos os alunos enquanto não houver aulas presenciais;

Para assinar acesse o link: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLScvUIo2_yMBIgTBafMbhKCObvHzlob0H45XgE2S3KcmguwWTQ/viewform

Por Andressa ZAFALON