Secretária de Educação fala com vereadores nesta terça na Câmara de Rio Preto

Fabiana Zanquetta, secretária de Habitação

A secretária de Educação, Fabiana Zanquetta, foi convidada e será ouvida nesta terça-feira, às 15, no auditório da Câmara de Rio Preto. Ela deve se sabatinada pelo vereadores da Comissão de Educação.

Os questionamentos a serem feitos envolvem a segurança no retorno às aulas em relação à prevenção da doença, a qualidade do ensino, a estrutura para a demanda e, posteriormente, ouvir também os professores e sindicatos.

Dhoje Interior

De acordo com o coordenador da comissão, vereador Bruno Moura, a população também será ouvida. “Após essas duas primeiras fases de trabalho da Comissão, os pais e responsáveis também serão ouvidos para podermos finalizar o plano de retorno e adequar no que for pertinente”, explica Bruno Moura.

Em uma entrevista ao DHoje, Fabiana Zanquetta explicou alguns detalhes do retorno às aulas. “Desde o ano passado estamos dialogando com os pais e fortalecendo o diálogo com o Conselho de Educação. No final do ano fizemos uma pesquisa com os responsáveis pelos alunos e 25% dos entrevistados disseram que se sentem seguros em enviar seus filhos à escola. 75% deles disseram que não mandariam os filhos durante a pandemia e sem a vacina”, explica a Secretária.

Perguntada se tem alguma preferência do modelo adotado para retomar o ano letivo, Fabiana disse ser a favor da não obrigatoriedade presencial. “A Unicef inclusive enviou uma carta aos prefeitos pedindo o retorno imediato das aulas seguindo todos os protocolos de segurança. Neste momento, seguindo todas as recomendações, sim, sou favorável ao retorno seguro e não obrigatório das aulas presenciais”.

Em relação ao modelo híbrido, ou seja, uma parte presencial e outra parte remota, a pasta terá que cuidar para que todos os alunos tenham acesso aos dois modelos.

Fabiana disse ainda que  a pasta já começou a chamar os estagiários para retornarem às escolas a partir desta terça-feira

Em nota a secretária disse que “ainda não tem como responder se as aulas aqui também serão um terço obrigatórias presencialmente, pois o modelo ainda está em estudo”.

Por Andressa ZAFALON