SAÚDE VASCULAR – Dores nas pernas Pós-Covid: quais os seus significados?

Quem já foi internado ou recebeu tratamento para a Covid-19, mesmo que já tenha sido vacinado com as duas doses, sente que alguns sintomas persistem ou pioram ao longo do tempo. As queixas mais comuns relacionadas a Síndrome Pós-Covid são queda capilar, perda da memória e dores nas pernas.

Em relação às dores nas pernas, inúmeros significados clínicos podem estar associados a este sintoma. Doenças importantes podem manifestar-se apenas com dores nas pernas, dentre elas, a trombose venosa profunda, a trombose arterial aguda, a embolia pulmonar e a má circulação. Apesar de inespecífico, a dor nas pernas não deve ser menosprezada, nem automedicada. A avaliação médica ainda constitui a melhor forma de compreender o motivo pelo qual uma pessoa está evoluindo com dores nas pernas.

Dhoje Interior

Entretanto, será que todas as dores nas pernas são iguais ou representam a manifestação clínica das mesmas doenças? Não! A dor nas pernas contém diversos significados e cada tipo de dor está associado a uma patologia específica. Fica a critério do indivíduo que a sente, conscientizar-se da importância do diagnóstico precoce, baseado em acompanhamento médico e exames para check-up.

A dor nas pernas que surge de repente, não associada a trauma e acompanhada por inchaço é muito sugestiva de trombose venosa profunda. Ainda mais quando nos referimos a pacientes que usam anticoncepcionais, foram submetidos a cirurgias recentes ou fizeram viagens de longa distância. Outros fatores de risco dignos de nota são: sobrepeso e obesidade, histórico familiar, antecedentes pessoais de varizes ou predisposição genética para fenômenos tromboembólicos.

Toda pessoa pós-Covid possui risco elevado de desenvolver trombose venosa profunda, que representa o primeiro passo para a embolia pulmonar. Em estudos realizados em unidades de terapia intensiva, a embolia pulmonar constituiu a principal complicação clínica associada a Covid-19.

Tanto a trombose venosa quanto a embolia pulmonar merecem avaliação clínica detalhada, tratamento com medicações anticoagulantes e exames de imagem para descartar complicações. A mortalidade é consideravelmente maior quando existe associação entre acometimento pulmonar pela Covid-19 e obstrução da circulação pulmonar por embolia.

Por outro lado, as dores nas pernas associadas a caminhada, a corrida ou quando é necessário subir alguns lances de escada, sugerem comprometimento circulatório arterial, com risco de formação de feridas, de úlceras que cicatrizam com dificuldade e até mesmo da perda do membro.

A doença arterial periférica, popularmente conhecida como “má circulação”, representa a condição clínica caracterizada pela obstrução da parede das artérias por placas de colesterol (ateroma), reduzindo de maneira expressiva o aporte sanguíneo para as extremidades do corpo, em especial para as pernas e para os pés.

A sensação de frialdade, formigamento, falta de sensibilidade, alteração na coloração da ponta dos dedos e dor é exacerbada no paciente cardiopata ou vasculopata que recentemente evoluiu com infecção viral pelo Coronavírus. O risco de complicações é maior, com necessidade de internação hospitalar e intervenções cirúrgicas.

O acompanhamento com o cirurgião vascular e o check-up vascular representam a melhor maneira de compreender o verdadeiro significado das dores nas pernas pós-Covid. Para mais informações sobre sintomas após a infecção pelo Coronavírus, acesse o site www.drsthefanovascular.com.br.

Prof. Dr. Sthefano Atique Gabriel – Doutor em Pesquisa em Cirurgia pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, especialista nas áreas de Cirurgia Vascular, Angiorradiologia e Cirurgia Endovascular e coordenador do curso de Medicina da União das Faculdades dos Grandes Lagos (Unilago)