Saúde diz que não falta insumo para intubação e sedação em Rio Preto, mas há substituição e uso racional destes medicamentos

Durante uma entrevista exclusiva ao DHoje, o Assessor Especial da Saúde, André Baitello, explicou que Rio Preto não sofre com a falta de medicação para intubação e sedação de pacientes, mas que, estes medicamentos vêm sendo substituídos e com uso racional para que a demanda se mantenha controlada.

“Atualmente nós estamos tendo problemas com medicamentos, estamos tendo que fazer uso racional destes medicamentos. Não está em falta, mas a gente está tendo que fazer o uso racional, que é mudar a forma de administração, às vezes trocando uma dose por outra. O sistema de saúde realmente está no seu limite”, explica Baitello.

Dhoje Interior

Muito se fala na falta destes medicamentos para intubação, mas, segundo Baitello, esse não é o maior problema, já que, para a intubação usa-se apenas uma dose do insumo. “O maior problema é na sedação. Após o paciente ser intubado, ele tem que ficar sedado por um bom tempo e é nesse caso que as doses são muitas e altas. A sedação precisa ser contínua no paciente e é onde usamos mais deste insumo”, comenta.

A Saúde de Rio Preto está conseguindo manter fazendo a troca de algumas drogas. “Os sedativos Midazolam e Fentanil estão começando a faltar no mercado, mas estamos conseguindo manter usando algumas drogas alternativas. No caso do Fentanil, trocamos por morfina, que são medicamentos da mesma classe terapêutica. Essas substituições já vêm sendo feita”, conclui o Assessor Especial.

Sobre este assunto, a Secretaria Municipal de Saúde mandou uma nota. “A Secretaria da Saúde comunica que estão normais os estoques atuais de insumos, medicamentos e oxigênio nas unidades da sua rede. Há uma negociação permanente com os fornecedores atuais e a busca de outros parceiros”, diz a nota.

A Secretaria ainda informou que o Centro de Controle de Zoonoses suspendeu até 11 de abril, as cirurgias eletivas de castração de animais, tendo em vista a necessidade de otimizar insumos para o atendimento prioritário aos pacientes Covid 19.

“Reiteramos que a esterilização de animais no sistema público de saúde – SUS , realizada pelo CCZ, segue os protocolos estabelecidos por normas municipais e ministeriais.  Tal medida é de caráter excepcional e visa contribuir na disponibilidade de insumos na rede municipal”.

O CCZ realiza uma média de 50 castrações por dia e o serviço será retomado oportunamente.

Por Andressa ZAFALON