Santa Casa atinge mil curados de Covid e inicia imunização em funcionários

No mês em que completa 112 anos de existência, a Santa Casa de Rio Preto atingiu a marca de 1.011 recuperados da Covid-19. Essa é a segunda pandemia que o hospital atravessa em sua história, sendo a primeira a da Gripe Espanhola em 1918. Para comemorar, foi dado início a vacinação contra o coronavírus nos profissionais de saúde da entidade.

Somente nesta quinta-feira (21) foram imunizados 200 funcionários na Santa Casa. A enfermeira coordenadora do Covid-19, Daiane Pereira foi uma das vacinadas. “É uma honra para mim. Eu estou desde o começo, sou do grupo de risco, já que sou asmática. Precisei ficar afastada de toda a minha família, só conseguia ver meu filho por chamada de vídeo. Espero poder voltar a abraça-lo em breve. É muito prazeroso receber essa vacina”, afirmou.

Dhoje Interior

A médica clínica e coordenadora da enfermaria Covid-19, Carla Carvalho, também foi imunizada e ressaltou a importância de ultrapassar a marca de mil altas. “Nos deparamos com muitas mortes nesta pandemia, muita insegurança por se tratar em uma doença nova, mas cada rostinho que sai vivo da nossa enfermaria e UTI redobra nossa vontade de lutar e agora com a vacina estamos com esperança com dias melhores”, comentou.

A Santa Casa conta atualmente com 79 pacientes internados com síndrome respiratória aguda grave (SRAG) e Covid-19. Destes, 40 estão na UTI, com uma taxa de ocupação de 80%.

Doses

O hospital recebeu nesta quinta-feira (21) 500 doses da CoronaVac. O provedor da Santa Casa, Nadim Cury, afirmou que a quantidade é insuficiente para imunizar todos os profissionais da linha de frente.

“Para conseguir imunizar o pessoal da linha de frente eu precisaria de mil doses. Então, muitos não conseguiram receber nesta fase. Tenho funcionários de UTI, centro cirúrgico que ficaram sem. Eu entendo que não há pra todo mundo, mas o Governo mandou sete mil para o HB e apenas 500 pra gente. Isso é falta de respeito, é absurdo”, comentou.

Segundo ele, a taxa de ocupação no hospital aumentou durante o mês de janeiro e disse que já é um reflexo das festas de fim de ano. “Ontem morreram seis aqui, sendo três com menos com 60 anos, ou seja, estão morrendo jovens. Estamos assustados com a quantidade de casos. Felizmente a Santa Casa se preparou e hoje estamos com o estoque de medicamentos em um nível aceitável”, afirmou.

Por Vinicius LIMA – redação Jornal DHoje Interior