Rio Preto vence ação no caso Romarinho e Caixa tem que pagar ao clube 80 mil euros

Foto: Muller Merlotto Silva

Após atualização, ação de Cumprimento de Sentença, que o clube deu entrada dia 20 de junho, pede R$ 620 mil

A Caixa Econômica Federal foi condenada pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região, dia 14 de junho de 2022, a devolver 80 mil euros, com juros, atualização monetária e sucumbência, ao Rio Preto Esporte Clube. O dinheiro é resultado da venda do jogador Romarinho pelo Corinthians ao El-Jaish, time do Catar. Legislação determina que os times que formam os atletas têm uma porcentagem do dinheiro dessas transações. O Romarinho começou na base do Rio Preto Esporte Clube. Em reais, são R$ 373.049,01.

Dia 20 deste mês o Rio Preto entrou na Justiça Federal com um pedido de Cumprimento de Sentença exigindo o pagamento. Nela, o time cobra da Caixa R$ 620.500,30 ao acrescentar o indexador, juros de mora e honorários advocatícios. Ao comprar o atacante, E-Jaish depositou os 80 mil euros ao Rio Preto dia 9 de fevereiro de 2017 na agência da Avenida Anísio Haddad. A Caixa alegou junto à Justiça Federal que avisou o Rio Preto “por telefone”. Seis meses depois, como o dinheiro não foi resgatado, a Caixa devolveu o dinheiro ao time do Catar.

Na ação que a Caixa propôs na Justiça Federal em Rio Preto e, após perder, e na apelação ao Tribunal Regional Federal da 3ª Região, a Caixa afirma que o comunicado foi feito por telefone. O Rio Preto nega o telefonema. Ela admite que estornou o dinheiro ao time do Catar. Ele não pode fazer nova remessa ao Rio Preto porque faliu.

Embora tenha sido uma vitória importante para o Rio Preto, um grupo de sócios vê essa história com cautela. Ninguém admite, mas alguém teria feito denúncia anônima ao Ministério Púbico pedindo investigação.

Da REPORTAGEM