Rio Preto define fechamento de mercados aos sábados e domingos

 

A Prefeitura de Rio Preto, para tentar conter o avanço do número de casos de Covid-19 na cidade, decidiu nesta quarta-feira (15) que os supermercados e hipermercados serão proibidos de abrir para atendimento ao público nos próximos dois finais de semana, dias 18 e 19 e 25 e 26 de julho – os mesmo poderão apenas fazer o atendimento por delivery.

Dhoje Interior

Aglomerações – As medidas emergenciais foram tomadas para combater as aglomerações, que continuam acontecendo em vários pontos da cidade.

Sem drive thru – O decreto proíbe a venda por meio deste sistema nos supermercados.

Segundo o secretário de Saúde, Aldenis Borim, ainda que a ideia era equilibrar economia com saúde, mas a cidade ainda está registrando altos índices de aglomerações.

“Gostaríamos muito de manter o funcionamento dos serviços, porém, não estamos tendo toda a adesão necessária. Ainda vemos muitas pessoas nas ruas sem máscaras, estabelecimentos funcionando em horários proibidos e muitas festas clandestinas e em família”, salientou o secretário.

O prefeito Edinho Araújo (MDB) informou que as medidas têm como objetivo salvar vidas, evitando um colapso no sistema de saúde.  “Nosso foco continua sendo a saúde. As medidas tomadas hoje são temporárias e esperamos que inibam as aglomerações, pois elas claramente estão contribuindo para que a doença se espalhe”, afirmou Edinho.

APAS – Para a Associação Paulista de Supermercados (APAS), o decreto assinado pelo prefeito Edinho Araújo fará com que a população se aglomere em fila nas portas dos estabelecimentos, o que vai na contramão das recomendações de distanciamento social em tempos de pandemia.  Em outro ponto da sua nota, a entidade salienta que o decreto traz um desnecessário risco de desabastecimento para a região, pois estimula a população a estocar itens de primeira necessidade.

Região – Para a APAS, o fechamento dos supermercados incentiva a população rio-pretense a ir aos municípios vizinhos para suprir suas necessidades imediatas, fazendo com que o vírus da Covid-19 se propague cada vez mais.

Acirp – A Acirp (Associação Comercial e Empresarial de Rio Preto) se posicionou contrária à decisão da Prefeitura. Segundo a entidade, todas as medidas que restringem ou limitam o acesso da população a produtos ou serviços acabam gerando mais aglomerações. “Isso se confirmou em várias medidas tomadas, não só em Rio Preto. O prefeito de São Paulo (Bruno Covas) teve que voltar atrás em medidas que restringiam a circulação da população e que geraram ainda mais aglomerações no transporte público e nas lojas”, destaca trecho da nota.

Conscientização e acesso maior – Segundo a entidade a redução das aglomerações acontece com a facilitação do acesso aos serviços e produtos, fiscalizando o cumprimento das medidas e conscientizando a população.

Desemprego – Eles finalizam a nota salientando que medidas radicais como esta são pouco efetivas para reduzir aglomerações e geram mais desemprego.

Por Sérgio SAMPAIO – Da Redação Jornal DHoje Interior