Rio Preto: Ações nacional e estadual promovem combate ao Aedes aegypti

nacional - Semana de Mobilização contra o Aedes aegypti

Já nos próximos três sábados, das 8h às 14h (28 de outubro, 11 e 18 de novembro) serão realizadas ações da campanha estadual ‘Todos Juntos contra o Aedes’, que promovem mutirões para eliminar possíveis criadouros do mosquito da dengue e febre amarela.

Até esta sexta-feira, acontece a Semana Nacional de Mobilização contra o Aedes aegypti, mosquito transmissor de doenças como dengue, zika e chikungunya. A ação será realizada em setores da Educação, Assistência Social e Saúde numa forma alertar a população sobre o combate ao mosquito e criadouros, já que o maior período de chuvas nessa época facilita a reprodução do transmissor da doença.

Dhoje Interior

Pelo país mais de 210 mil unidades públicas e privadas participam desta ação, sendo no total mobilizadas 146.065 escolas da rede básica, 11.103 centros da assistência social e 53.356 unidades de saúde.

Rio Preto também participa desta mobilização e ao longo da semana ocorrem ações com entrega de panfletos e orientações à população sobre o combate ao Aedes aegypti e, inclusive uma caminhada pela avenida Philadelpho Gouveia Neto nesta quinta-feira. Segundo a gerente de controle de vetores do município, Camila Santana de Oliveira, a programação será realizada em escolas, supermercados, feiras livres, igrejas, terminal rodoviário e unidades de saúde. “Serão mais de 80 ações durante a semana para mobilizar a população contra o Aedes. Todos os agentes de saúde também estão mobilizados, sendo mais de 350”, comentou.

Já nos próximos três sábados, das 8h às 14h (28 de outubro, 11 e 18 de novembro) serão realizadas ações da campanha estadual ‘Todos Juntos contra o Aedes’, que promovem mutirões para eliminar possíveis criadouros do mosquito da dengue e febre amarela. Nesta ação a expectativa é de que sejam vistoriados 22 mil imóveis, com a participação de 234 agentes de saúde.

Durante a visita, os agentes de saúde, junto aos moradores, irão vistoriar os imóveis, eliminando possíveis criadouros que possam conter ovos do mosquito Aedes aegypti e orientando a população sobre os cuidados para a manutenção de ambientes livres de focos. “A população não pode descuidar e sempre tem que estar atenta aos possíveis criadouros do mosquito. Isso é um trabalho contínuo, que sem a ajuda da população a gente também não consegue”, concluiu Oliveira.

 

Por Priscila Carvalho