Inverno concentra 67% das queimadas registradas no ano

Foto: Claudio LAHOS

O período de estiagem é considerado um dos mais críticos do ano em relação às queimadas. Durante o inverno, os índices tendem a aumentar de duas a três vezes do que nos demais meses. Desde o começo do ano, Rio Preto já registrou 698 queimadas em vegetações naturais e cultivadas, terrenos baldios e pontos de apoio, segundo o 13° Grupamento de Bombeiros no município. O número representa um aumento de 13,3% em comparação com o período no ano passado.

Os meses com os maiores números de queimadas são junho, julho e agosto. Foram 34 queimadas registradas a mais neste período em 2020 do que no ano passado, totalizando 472 casos, o que significa que 67,6% de todas queimadas do ano foram nestes meses.

Dhoje Interior

O coordenador da Defesa Civil, coronel Carlos Lamin, falou sobre a importância da prevenção. “Muitas vezes, as queimadas surgem do uso do fogo para limpeza. Além de ser um crime, a atitude gera um risco considerável à saúde da população, pois lança material particulado na atmosfera”, explica.

Segundo o Corpo de Bombeiros, a falta de chuvas e a baixa umidade relativa do ar são os principais fatores para o aumento das queimadas nesta época.

O Corpo de Bombeiros ainda cita que a maioria das queimadas é causada por ação humana e afirma que as principais consequências são a poluição do ar atmosférico, empobrecimento do solo, destruição de ninhos e filhotes de animais silvestres e problemas de saúde causados por transtornos respiratórios.

Por Vinicius LIMA – redação Jornal DHoje Interior