Professores furam greve e atendem alunos; Apeoesp diz que movimento “está em construção”

Uma greve foi anunciada na sexta-feira (5) por parte da Apeoesp para ser iniciada nesta segunda-feira (8), no entanto, os alunos que estavam previstos para as aulas presenciais no primeiro dia, tiveram as aulas executadas pelos professores.

De acordo com o Secretário Estadual de Educação, Rossieli Soares, a tentativa da greve, por parte do Sindicato, teria sido fracassada. “Os professores mostraram o compromisso absoluto e gigantesco, por isso, nós não tivemos nenhuma escola com suas atividades interrompidas por conta da adesão à greve”, disse o Secretário durante coletiva.

Dhoje Interior

No entanto, a versão da Apeoesp é outra. Segundo a coordenadora da subsede da Apeoesp Rio Preto, Elaine Lacerda, a greve não foi fracassada, mas sim, está sendo construída.

“Estamos com uma greve em construção. Os professores vão avaliar as situações das escolas para depois decidirem pela adesão da greve (ou não). Algumas escolas tem condições, outras não. Estamos nos comunicando (professores e Sindicato), pegando as informações, para ai então montarmos uma greve mais consistente”, explica Elaine Lacerda.

Para a Apeosp, esta situação deveria ser resolvida pelos Prefeitos, já que eles têm autonomia para isso. “Os Prefeitos que conhecem a realidade de suas cidades. Rio Preto tem condições de socorrer a população, caso haja um aumento significativo nos casos de Covid-19, mas outros municípios menores não têm, o que pode acontecer de superlotar os hospitais de Rio Preto, com a vinda dessa população de fora”, ressalta a coordenadora da subsede de Rio Preto.

O Sindicato está em conversas com os gestores de todas as cidades, com o objetivo de convencê-los a baixar um decreto onde determina que as escolas estaduais tenham aula somente de forma remota. “Defendemos que o retorno presencial só aconteça depois da vacina nos funcionários da Educação. A luta do Sindicato é pela vida”, finaliza Elaine.

Segundo dados da Apeoesp, apenas 5% dos alunos retornaram às aulas presenciais nesta segunda, o que, para a presidente do Sindicato, Professora Bebel, que também é deputada estadual pelo PT, isso indica uma forte adesão das famílias à greve sanitária decretada pelos professores.

“Hoje o comparecimento dos alunos foi baixíssimo, isso porque as famílias sabem dos riscos que existem nas escolas da rede estadual. Ninguém quer mandar o seu filho para um local onde há álcool gel vencido, ambientes sem ventilação, banheiros quebrados. Mesmo com um número pequeno de alunos, houve aglomeração nas portas das escolas, o que mostra o despreparo para esse retorno”, afirma Bebel.

A Apeoesp SP também atualizou nesta segunda o número de casos de professores e funcionários que testaram positivo para Covid-19 em escolas que já haviam realizado alguma atividade presencial: 209 casos em 96 escolas

Os professores da rede pública estadual de SP seguem em greve sanitária, realizando o trabalho remoto. Nesta segunda, houve adesão de cerca de 15% dos professores à greve. Na próxima quarta (10), a categoria realiza uma assembleia popular on-line. “Temos carros de som por todo o Estado, campanha de esclarecimento nas redes sociais, rádios e TV, carreata, manifestações regionais. Além disso, iremos às câmaras municipais, conversaremos com prefeitos e realizaremos encontro com professores, pais, mães, estudantes e funcionários, entre outras ações”, conclui a Professora Bebel.

Por Andressa ZAFALON