Preço de alimentos sofre queda em fevereiro, aponta pesquisa

Em baixa - Feijão teve queda de 1,28% em fevereiro; já o arroz caiu 0,54%, segundo o Índice do Custo de Vida (ICV)

Segundo o Índice do Custo de Vida (ICV), medido pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o mês de fevereiro apresentou alta de 0,05% de inflação, abaixo da média apurada em janeiro, quando a taxa havida sido de 0,95%. O resultado mostrou também que dos dez grupos de despesas pesquisados, três apresentaram queda: alimentação (0,5%); vestuário (0,63%) e equipamento doméstico (0,03%), sendo que os itens alimentícios que mais caíram de preço foram as carnes (2,12%); as aves e ovos (1,82%); leite in natura (1,67%) e grãos (0,66%). O feijão baixou 1,28% e o arroz teve queda de 0,54%.

Para o economista Roosevelt Bormann Filho, a tendência é que os alimentos de produtos agrícolas continuem em baixa nos próximos meses.

Dhoje Interior

“De forma geral os produtos agrícolas seguem em queda. Como tivemos uma produção muito grande e as vendas não foram tão altas, os preços devem seguir em baixa nos próximos meses, com uma leve alta para os alimentos não agrícolas”, explicou.
Segundo o economista, o baixo preço do setor de alimentação compensa a alta de outros setores.

“O Brasil é um dos maiores produtores agrícolas do mundo. Esses valores baixos dos alimentos, no ajuste de inflação, acabam compensando outras altas que temos visto, como a dos combustíveis. A tendência é que a agricultura seja responsável pela inflação baixa no Brasil. Não tão baixa quanto agora, mas ainda baixa em relação ao período antes da recessão, que contribuiu para esse período de preços baixos”, finalizou.

 

Por Marcelo SCHAFFAUSER