POR TEMPO INDETERMINADO: Comércio fecha as portas a partir de segunda-feira (23)

Foto: Cláudio Lahos

O prefeito Edinho Araújo determinou, nesta sexta-feira (20), o fechamento do comércio de São José do Rio Preto, após decretar estado de emergência em saúde pública no município devido à pandemia do coronavírus (COVID-19).

Desta forma ficarão abertos, somente, os serviços considerados de necessidades básicas à população, que são representados por hospitais, farmácias, estabelecimentos comerciais de alimentos sem consumação no local, revendedoras de gás e postos de combustíveis.

Dhoje Interior

Sobre as portas fechadas do comércio de forma obrigatória, na próxima segunda-feira (23), o presidente do Sincomércio de Rio Preto, Ricardo Arroyo, disse que “foi decidido durante reunião feita com várias entidades. Houve uma votação, eu votei pela manutenção da abertura das lojas, mas a maioria dos votos foi pelo fechamento. Após a definição conversei com o secretário de Saúde e com o vice-prefeito e concluímos que a medida foi positiva pela questão de proteção à vida que é muito mais importante neste momento”.
Arroyo acrescentou ainda que “o fechamento do comércio foi a melhor forma para não ter morte em Rio Preto, talvez desta forma os registros sejam menores”.

A recomendação da Acirp (Associação Comercial de São José do Rio Preto) é para que as atividades sejam suspensas a partir de hoje (21), para aqueles que já estão previamente organizados.

Sobre a ação adotada no município, o presidente da Acirp, Paulo Sader disse que “isso é um problema muito complexo e grave, principalmente, pelo que a gente vê em outros países. Então quanto menos contato melhor. A prioridade, hoje, é o drama das famílias e das pessoas. A decisão foi correta, o objetivo é passar por esse momento sem o sofrimento humano. Os empresários têm a recomendação dessa adequação, o cidadão deve perceber que não vai faltar nada, porque os serviços essenciais vão continuar”.

Segundo o prefeito Edinho Araújo, conforme decreto os estabelecimentos e serviços que permanecerão em funcionamento no município deverão ser respeitadas, nas áreas de consumação de alimentos, com a ocupação máxima de quatro pessoas por mesa e a distância mínima linear de dois metros entre um conjunto de mesas a outro. Já em locais onde ocorrem fila de espera a distância mínima respeitada deve ser de 1,5 metro.

Deverá ser respeitada também a distância nas áreas de circulação de pessoas, com a permanência de uma pessoa a cada 2,25 metros de área livre, exceto serviços de saúde essenciais e hospitais.

Segundo o prefeito, o estabelecimento que descumprir as medidas ficará sujeito a multa, interdição parcial ou total da atividade e cassação do alvará.

Clique aqui e confira o Decreto 18.559 na íntegra 

Por Mariane DIAS