Política é machista e mulheres precisam lutar pelo empoderamento, afirma Márcia Caldas

Em seu primeiro mandato, Márcia não descarta mudar de partido, mas diz aguardar momento certo para a decisão.

”Acredito que não há grande interesse por parte das mulheres, justamente, por não receberem apoio e incentivo do partido. Mesmo diante desta realidade, nós precisamos lutar, derrubar obstáculos e mostrar a nossa força”. A declaração sobre a participação feminina na política é da comerciária, sindicalista e vereadora rio-pretense Márcia Caldas do PPS (Partido Popular Socialista), casada com Arnaldo Fernandes há 31 anos, mãe de Nathália e Lucas e a entrevistada do Dhoje deste domingo. Confira os principais trechos da matéria.

1 – Quais os principais projetos da vereadora nos últimos dois anos e meio?

Dhoje Interior

A meu ver, não existe um projeto principal. Todos são extremamente importantes, pois foram pensados, estudados e promulgados com sucesso, cada um representando os interesses dos nossos munícipes. Não são apenas os projetos que regem o nosso mandato. São várias as lutas que enfrentamos e vencemos dentro da Câmara Municipal de Rio Preto como, por exemplo, o projeto de flexibilização do horário do comércio, que foi arquivado, graças a união e ao apoio dos trabalhadores. É válido lembrar que, durante esses dois anos e meio de mandato, muitas vozes foram ouvidas e atendidas. Esse é o nosso propósito.

2 – Dentre estes projetos, qual o que mais se destacou em sua opinião? Do que se trata?

Entre os projetos destaques, estão: os fraldários, lei nº 13.208, que trata sobre a obrigatoriedade da construção ou adaptação de fraldários familiares acessíveis aos frequentadores de shoppings centers e estabelecimentos privados similares em funcionamento no âmbito do Município de São José do Rio Preto. O Agosto Lilás, lei 12.908, que é uma campanha de Conscientização e prevenção à violência contra a mulher e visa alertar, esclarecer, envolver e mobilizar a sociedade civil a respeito do tema, e, também, o Cinema para os Idosos, lei 13.245, recentemente aprovada e que garante a entrada gratuita de pessoas idosas, a partir de 60 anos, às segundas-feiras, em cinemas do município.

3 – Acredita que a mulher tem conquistado mais espaço por sua competência, ou ainda o machismo impera e as cotas são a principal razão para que ocupem cargos na política?

A mulher tem mostrado, constantemente, o seu poder, a sua versatilidade e competência em todas as áreas. Na política, devido ao machismo e preconceito, a situação é um pouco diferente. Acredito que não há grande interesse por parte das mulheres, justamente, por não receberem apoio e incentivo do partido. Mesmo diante desta realidade, nós precisamos lutar, derrubar obstáculos e mostrar a nossa força. É preciso mais representantes para garantirem o bem comum. Com a liderança feminina na política, as mulheres se tornam mais engajadas na discussão cívica, e colaboram para um futuro mais próspero e igualitário.

4 – Qual a avaliação do seu mandato?

Fui eleita com uma proposta bem ampla de atuação. Representar comerciários e trabalhadores em geral e zelar pelos interesses dos cidadãos rio-pretenses com um olhar especial para as mulheres, crianças, idosos e, inclusive, para os deficientes físicos, de forma a priorizar a inclusão social. Trabalhei muito nestes quase três anos de mandato. Avalio o meu mandato como ótimo, atuante e responsável.

5 – Sobre as eleições de 2020. A Márcia fica no partido? Já teve convites para outras legendas?

Tenho sido procurada por diversos partidos, que me honraram com o convite de filiação. Sou muito grata a todos. O momento é de expectativa. Tenho algum tempo para conversar, para ouvir o que os partidos pensam para a cidade e, no momento oportuno, decidirei o rumo a tomar. Conversei, recentemente, com o presidente estadual do meu partido, o ex-deputado Davi Zaia. Vamos ver. Vou definir na hora certa.

6 – Vai tentar a reeleição ou esperar alcançar lugares mais altos na política municipal?

A reeleição é um caminho natural para dar continuidade aos trabalhos e projetos que venho realizando na cidade. Pretendo, sim, continuar trabalhando em prol da população rio-pretense como tenho feito desde o início e alcançar cada vez mais espaço na política, é claro, dando um passo de cada vez.

7- Interessa a candidatura à prefeita e posteriormente ao cargo de deputada (estadual ou federal)?

Trabalho muito como vereadora. Atendo pessoas, demandas, me envolvo com as boas causas e tudo isto reflete no nosso mandato, que é bem avaliado. Da mesma forma que eu como presidente do Sindicato senti, em certo momento, a necessidade de ser vereadora para ajudar a categoria que represento, por que não? Tudo é um processo. Pretendo ir além e seguir com uma gestão transparente e eficiente.

8- Deixe um recado para seus eleitores.

A minha gestão está voltada ao bem-estar de toda a população, para que juntos possamos construir uma cidade consciente, fortalecida e justa. Iniciamos os trabalhos em 2016 e não podemos parar de lutar, precisamos ir além. As portas do nosso gabinete estão abertas para todos os cidadãos de bem, os quais me coloco sempre à disposição. Até o momento, recebemos milhares de pessoas e muitas demandas foram solucionadas. Tive o prazer de apoiar vários projetos sociais importantes, que transformam vidas e histórias. Agradeço a todos pela confiança. Para seguir atuando por você, trabalhador, conto com o seu apoio. Continuarei honrando toda a minha trajetória com garra e determinação. A minha bandeira é em prol da valorização das mulheres, promoção e defesa das crianças e dos adolescentes, lazer e segurança dos idosos, incentivo ao esporte e cultura regional, além do reconhecimento da categoria trabalhadora. A luta continua. Juntos seremos mais fortes.

Por Ygor ANDRADE