Polêmico, vereador Flavinho Olmos destaca transparência em seu primeiro mandato

Vereador diz que usa bom humor para chamar a atenção da população olimpiense.

O vereador Flávio Olmos (DEM), mais conhecido como Flavinho, é o entrevistado deste domingo. Sem ‘papas’ na língua, o democrata salientou grande parte de seus projetos e mostrou seu lado combativo.

“Não me declaro de oposição. Só faço meu papel como vereador”, destacou o parlamentar que tem em seu currículo projetos e Lei bastante interessantes. Um dos destaques foi o projeto de Lei que impediria a projeção de vereadores aos cargos de secretários na cidade.

Dhoje Interior

“A gente vê isso em muitos lugares. O político se elege, o prefeito convida para ser secretário, ele aceita e o suplente acaba ficando preso ao cargo”, disse o vereador, completando que, à época, conseguiu as seis assinaturas necessárias para encaminhar o projeto, mas que “de repente, o projeto acabou sendo barrado”. “Quando elaborei o projeto, muita gente era independente”, disse.

“A gente fala tanto em mudar o Brasil, mas acaba não fazendo o básico aqui em Olímpia”, salientou.

Projetos polêmicos parecem ser mesmo o forte de Flavinho. Ele ainda encabeçou a criação de um projeto de Lei que tinha como objetivo obrigar a prefeitura a contratar uma seguradora, sempre que fosse aberta uma licitação.

“A ideia é evitar que as licitações sofram muitos aumentos nos aditivos sem que haja necessidade. Uma obra não pode ser licitada em um milhão, por exemplo, e de repente custar dois milhões. Um dos exemplos é a ponte aqui na Avenida Aurora Forti Neves que nem começou a ser construída e já precisava de mais dinheiro”, relembrou.

Em seu primeiro mandato, o vereador ainda coleciona outros embates com o Executivo Municipal. “Nós acabamos com a indústria da multa na Ygor ANDRADE [email protected] cidade”, frisou.

Segundo dados levantados pelo vereador e sua equipe, em 2016 a cidade arrecadou cerca de R$ 126 mil em multas. No ano seguinte, 2017, os valores saltaram para R$ 730 mil e, em 2018, para R$ 1.034 milhão. “Não vi nenhum investimento na cidade, não se viu placas, os buracos continuam lá. O cidadão além de dirigir, desvia do buraco e ainda pagava multa”, questionou o vereador

“O cidadão é nosso bem maior. Fui autor de outro projeto pensando nele. Pedi que seja proibido o corte de água em vésperas de feriado ou as sextas-feiras. O cidadão tem direito de ter tempo para conseguir resolver isso, e passar um final de semana ou um feriado sem água, é inadmissível”, disparou Flavinho que lamenta o projeto ter sido aprovado na Casa de Leis, mas vetado pelo prefeito Fernando Augusto Cunha (PSD).

Quando perguntado sobre qual o projeto mais importante, Flavinho não quis destacar somente um, mas deixou claro que “sempre trabalha para que a população seja a maior beneficiada”.

“Entrei e não imaginava que seria tão difícil. Eu vejo que fiz e faço meu papel de vereador e estou focado nisso. Às vezes a gente faz (as denúncias) com um pouco de humor para chamar a atenção das pessoas, para ver se elas se interessam em participar da política. É preciso que as pessoas participem mais, assim a gente vê melhoras na situação da cidade”, enfatizou.

ELEIÇÕES 2020 “Hoje estou focado em ser vereador. Algumas pessoas pedem que eu seja candidato a prefeito, até mesmo o próprio prefeito chegou a comentar algo de que serei candidato em 2020, mas eu mesmo nunca disse nada. Vou continuar como vereador, até que as coisas se encaminhem. Estou no DEM e ficarei lá até março do ano que vem. Ai nós vamos decidir o que fazer a partir daí”, ponderou o vereador que emendou: “A população pode continuar confiando no meu trabalho, na transparência. Os números mostram nosso trabalho e vou continuar assim até o ultimo dia independente de eleições”, finalizou.

Por Ygor ANDRADE (Colaborou Isabela Martins)