Pelo 3º dia consecutivo, Rio Preto registra morte por Covid e casos chegam a 455

A 15ª morte pelo novo coronavírus em Rio Preto foi confirmada pela Secretaria Municipal de Saúde nesta segunda-feira, dia 18. A vítima é uma mulher, de 60 anos, que tinha comorbidades. Ela morreu neste domingo, dia 17.

É a terceira morte consecutiva pela doença nos três últimos dias na cidade que tem, até o momento, 455 casos positivos e 133 pacientes curados.

Dhoje Interior

Com a nova morte, conforme a Pasta, o índice de letalidade no município é de 3,2% em um universo de 98 casos positivos para cada 100 mil habitantes. No Brasil, o percentual é de 6% e no Estado de São Paulo, 7,6%.

Entre os casos confirmados do novo coronavírus, 107 contaminados atuam na área da saúde e 77 apresentaram a síndrome respiratória aguda grave (SRAG). O índice de incidência da doença subiu para 98 casos para cada 100 mil habitantes.

Segundo a gerente da Vigilância Epidemiológica, Andréia Negri, a idosa apresentou os primeiros sintomas no dia 26 de abril e foi internada.

De acordo com ela, foram atendidas 6.085 pessoas com síndrome gripal. Deste total, 3.418 foram testadas para o Covid-19, o que equivale a um índice de coleta de 56%, considerado de primeiro mundo por Andréia.

“É um dos maiores índices que podemos alcançar. Estamos investindo muito na testagem”, ressaltou.

PERFIL DAS VÍTIMAS

Conforme a Saúde rio-pretense, dos 15 óbitos registrados, 80% foram em pessoas com mais de 80 anos, sendo sete mulheres e oito homens.

As doenças cardiovasculares lideram as estatísticas com 43% entre o percentual de doenças e/ou condições pré-existentes nas mortes. Em seguida, aparecem obesidade e problemas no pulmão (pneumopatias) com 12% e 3%, respectivamente.

EVOLUÇÃO DA DOENÇA

O tempo médio entre o início dos sintomas e a confirmação do óbito, segundo Andréia, gira em torno de 15 dias. Todavia, seis mortes ocorreram entre quatro a dez dias, quatro entre 11 e 17 dias, outras quatro entre 18 e 25 dias, e um caso entre 26 e 32 dias.

“Essas pessoas também ficaram internadas e ocuparam os leitos. Mas temos também muitos casos que internam e ficam de 20 a 30 dias e felizmente saem de alta do hospital. Pedimos ainda, o nosso motivo é manter nosso isolamento social. Quem tem algum sintoma, febre, tosse, coriza, fique no seu domicílio, não vai trabalhar. Não visite parente idoso, porque é importante conseguir preservá-lo”, finalizou Andréia.

Daniele JAMMAL