Ocupação de UTIs chega a 94,6% em Rio Preto e Saúde vê dificuldades de abrir leitos

Durante a live desta sexta-feira (5), a Secretaria de Saúde de Rio Preto revelou que o município atingiu 94,6% de ocupação de leitos de UTI, a maior taxa registrada desde o início da pandemia. São 348 internações de síndrome respiratória aguda grave (SRAG), com 148 na UTI e 200 na enfermaria. Dentre os casos confirmados de Covid-19, são 230 pacientes internados, com 115 na UTI e 115 na enfermaria.

“Se vocês tivessem visto um paciente ir a óbito por asfixia, vocês nunca mais iam sair das suas casas. É a coisa mais horrível que eu já vi na minha vida. Estamos chegando no limite e se a população não se cuidar, nós vamos ultrapassar esse limite”, afirmou o secretário de saúde Aldenis Borim.

Dhoje Interior

Borim também justificou a não abertura de um hospital de campanha durante a pandemia. “Não fizemos porque um hospital de campanha é caro, demorado e não poderíamos fazer maior do que nós fizemos. Nós já abrirmos 118 novos leitos dentro da própria estrutura. Nós não precisamos gastar milhões para abrir, nós temos a estrutura, mas chegamos no limite. Não temos recursos humanos e equipamentos, chegamos no limite máximo de abertura”, comentou.

Nesta semana, 20 leitos de suporte respiratório foram abertos na UPA Santo Antônio. Aldenis admitiu dificuldades para abrir novos leitos.

“Não temos mais condições de expandir dentro do município. A nossa única esperança é que o Governo de São Paulo, junto com a DRS local, disponibilize o hospital João Paulo II para Covid-19 para ampliar leitos. No município, na Santa Casa e no Hospital de Base também”, comentou.

Segundo o Seade, a taxa de ocupação de leitos de UTI na região é de 86%.

Por Vinicius LIMA – Jornal DHoje Interior