Óbitos por Covid em Olímpia atingem mais idosos entre 70 e 79 anos e cardiopatas

Foto: © Reuters/Koki Kataoka/Direitos Reservados

Dados da Fundação Seade, referência em análise de dados no Estado de São Paulo, mostram que os óbitos por Covid-19 em Olímpia, em sua maioria, atingem idosos, principalmente, com doenças preexistentes. Segundo as informações, mais de 80% dos falecimentos computados são de pessoas acima dos 60 anos, sendo a faixa etária mais atingida entre 70 e 79 anos, com 34,2% dos óbitos, seguido dos idosos entre 80 e 89 anos (27,6%); e de 60 a 69 anos (18,4%).

Outro dado revelado pelo estudo é que 63% dos óbitos são de homens e 37% de mulheres. Além disso, praticamente todos os pacientes apresentavam doenças preexistentes que levaram ao agravamento do quadro, principalmente, cardiopatias, que foram identificadas em 71,1% dos óbitos, e diabetes, em 39,5% dos casos. Outras comorbidades observadas são obesidade e pneumopatia, presentes em 11,8% dos pacientes.

Dhoje Interior

Vale ressaltar que o município contabiliza, atualmente, 80 óbitos, no entanto, o sistema apresenta 76, estando ainda em atualização pelo Governo do Estado. A consulta aos dados considera as informações da manhã desta sexta-feira (15).

Casos confirmados

Sobre o perfil dos dados confirmados, a Fundação Seade traz um total 3.650, também em atualização, sendo que 53% correspondem a mulheres e 47% a homens.

A faixa etária mais atingida pela contaminação é de 30 a 39 anos, com 25,6% dos casos, seguida de 20 a 29 anos, com 18,4% das confirmações e de 40 a 49 anos, com 17,5%. Em relação a doenças preexistentes, 10% dos infectados possuem cardiopatias e 5,8% apresentam diabetes.

Segundo o último boletim epidemiológico divulgado pela Prefeitura Olímpia possui 3.775 casos confirmados, dos quais 3.584 estão curados (94%), 80 vieram a óbito e 21 estão internados em hospitais de Olímpia e região (13 em UTI, 3 em Suporte Ventilatório e 5 em Enfermaria). O município aguarda resultados de 159 suspeitos.

Para o prefeito Fernando Cunha, os dados comprovam as análises feitas pelos órgãos de saúde sobre a onda de contágio e evolução do quadro dos pacientes. “O relatório da Fundação Seade nos mostra bem a realidade da contaminação não só em Olímpia como em todo o país. Os jovens têm sido a maior fonte de contágio e consequente transmissão do vírus, levando possivelmente a doença para os familiares mais velhos e com problemas de saúde, que representam o maior índice de óbitos em nossa cidade. Por isso, reforço o apelo para que mantenhamos os cuidados para proteger nossas famílias e seguimos na luta e espera por uma vacina eficaz e segura”, ressaltou.

Da REDAÇÃO