O que você precisa saber sobre a queda de cabelo e o Covid-19

Um dos sintomas da Covid-19 persistente que mais chama a atenção é queda de cabelo.  

Segundo uma pesquisa intensa, publicada na plataforma MedRxiv, realizada pelas universidades da Suécia, Estados Unidos e México, com vários estudos apresentados e que envolveram 48 mil pacientes, concluiu que os sintomas mais comuns são: Fadiga (58%), dor de cabeça (44%), dificuldade em manter a atenção (27%), queda de cabelo (25%) e falta de ar (24%). 

Dhoje Interior

Dos pacientes que foram infectados pelo coronavírus, 80%¨apresentaram um ou mais sintomas a longo prazo. 

A Covid-19 persistente é assim chamada por apresentar uma condição que pode durar semanas ou até meses, logo depois do início da infecção, podendo inclusive apresentar outros sintomas que anteriormente não se manifestou no paciente. 

A Dra. Mariana Paixão, médica dermatologista, membro da SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologista) e da SBCD (Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica) – diz que ela, assim como os demais dermatologistas, tem observado com maior frequência o aumento das queixas de queda de cabelo nas pessoas que tiveram a infecção da covid-19. 

“Essa queda de cabelo não é um evento específico da Covid, pois esse evento chamado de Eflúvio Telógeno agudo, está associado a qualquer tipo de infecção ou alguma situação que tenha gerado estresse no organismo da pessoa.”. Diz a médica. 

Os dois tipos de queda de cabelo, associados com o Covid-19 persistente são: Alopecia Areata, que é a queda repentina de cabelo apresentando falhas em formas circulares, envolvendo o sistema imunológico e tendo como causa o estresse grave, além da predisposição genética e o Eflúvio Telógeno, condição em que o cabelo cai de maneira difusa devido a experiências estressantes. 

Para alguns pesquisadores, o coronavírus pode servir como um gatilho para aquelas pessoas que já tem uma predisposição genética para o desenvolvimento da Alopecia Areata. 

“Esses eventos que servem como gatilhos, acabam acelerando o processo de queda de cabelo. Se a pessoa tem uma queda entre 100 a 120 fios diariamente, com esse aceleramento, pode dobrar para 200, 300 fio por dia. Os eventos associados a esse tipo de queda, podem ser as infecções graves, como a Covid, dengue, uma infecção urinária ou pós parto. Existem diversos gatilhos que podem desencadear essa queda mais abrupta do cabelo”, explica a Dra. Mariana Paixão. 

Mesmo que a Covid 19 persistente esteja envolvida na queda do cabelo, a SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia), afirma que o cabelo costuma crescer normalmente depois de um tempo; em média, 2 a 3 meses. 

O que se pode fazer para ajudar na recuperação do ciclo natural do cabelo é uma higienização básica do couro cabeludo com shampoos adequados para cada tipo, sob orientação médica, além de tratamentos complementares, conforme orienta a Dra Mariana. 

Da Redação