‘NOS BASTIDORES DA POLÍTICA’ – Na maioria dos casos, pega covid quem quer

Pega covid quem quer

A equipe de profissionais da área da saúde, liderados pelo secretário Aldenis Borim (foto), que traçou medidas restritivas para frear o avanço da covid-19, continua animada com os dados apresentados pelo lockdown, imposto recentemente em Rio Preto. Os dados foram positivos, diz a assessoria da pasta, porque o número de infectados está caindo e o índice de transmissibilidade também. De acordo com a avaliação da pasta, ainda tem que aguardar mais um pouco para cair a taxa de ocupação nas UTIs e também o número de mortes. Já está comprovado que o distanciamento social é protocolo essencial para barrar a propagação do vírus. Na maioria dos casos, pega covid quem quer!

Dhoje Interior

Tiroteio

Um tiroteio danado nas redes sociais e o assunto não poderia ser outro: a covid-19 e a vacina tão esperada que faz com que as pessoas sintam um verdadeiro alívio. Quem já tomou a segunda dose, então, dá pulos de alegria. A ciência está vencendo o negacionismo, mostrando que o melhor caminho a seguir é a ciência, sem remédios miraculosos, que além de não serem apropriados ainda faz mal à saúde. Só falta vacina para todos!

Educada

O presidente nacional do Cidadania, Roberto Freire, pediu, educadamente, para o senador Jorge Kajuru se retirar da sigla. A discórdia foi gerada devido a gravação divulgada pelo senador conversando com o presidente Jair Bolsonaro sobre a CPI, que vai investigar o desempenho do governo no combate à covid-19. Freire diz que Kajuru foi “subserviente” para direcionar os trabalhos. “Foi a gota d´água”, disse Freire.

Abrigo

O senador Jorge Kajuru não vai ficar desabrigado por falta de partido. A presidente nacional do Podemos, deputada Renata Abreu, escancarou a porta da sigla para ele se filiar. Kajuru tem o apoio do senador paranaense Álvaro Dias, que também é do Podemos. Kajuru, mesmo não se envolvendo com corrupção e muito menos com lavagem de dinheiro, porém, é o que mais tem processo no STF, nove, por crimes contra a honra.

Influência

A delegada Bárbara Lomba Bueno, que iniciou as investigações do assassinato do pastor Anderson do Carmo, então marido da deputada Flordelis (PSD-RJ), declarou ontem que a parlamentar exercia influência sobre os envolvidos no crime, ocorrido em 2019. As pessoas, diz ela, eram influenciadas por Flordelis. “Isso ficou comprovado, que elas estavam sob influência dela”, relatou. Se não cassar logo, acaba o mandato.

Berço esplendido

O presidente do Conselho de Ética, Paulo Pauléra (PP), informou que os membros se reúnem sexta-feira para analisar a representação, que pede punição de João Paulo Rillo (PSOL), por ter chamado alguns pares de “canalhas”. O grupo votou contra a criação do Conselho de Gênero Sexual, defendido pelo psolista. Júlio Donizete (PSD) lidera o trio que pede a punição do vereador. O psolista pode dormir em berço esplendido…

Alto padrão

Dr. Jairinho, acusado de matar o enteado Henry Borel, de 4 anos, mora na Barra da Tijuca, bairro nobre no Rio de Janeiro. Como vereador recebe R$ 18.991,68 por mês, portanto, não dá para morar em um condomínio de luxo. De duas, uma: ou o vereador fazia “rachadinhas”, abocanhando parte dos salários dos assessores ou pegava propina por fora. Jairinho foi líder do então governo Marcelo Crivella (REP), na Câmara.

Vislumbrada

Enquanto boa parte da população do Rio sofre por falta de moradia decente, saneamento básico, falta de transporte de qualidade e ainda convive com os tiroteios nos morros, políticos enricam a olho nu. Monique Medeiros (foto), mãe de Henry Borel, com o aval do vereador Jairinho, deixou o emprego de professora para trabalhar no Tribunal de Contas do Município do Rio. Estava lotada no gabinete do conselheiro Luiz Antônio Guaraná, com salário de R$ 12 mil mensais. Já foi exonerada! Ficou vislumbrada com a elevação do padrão de vida, por isso fez vista grossa e deixou o namorado espancar a criança até o golpe fatal. Aliás, existe uma relação espúria envolvendo políticos com órgãos públicos no Rio, que precisa ser investigada.

Por Venâncio de MELLO – Redação jornal DHoje Interior