‘NOS BASTIDORES DA POLÍTICA’- Almoço com 2 mil convidados é barrado em Prudente

Almoço cancelado

O juiz Darci Lopes Beraldo proibiu a promoção do almoço que seria oferecido ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido, foto), amanhã, em Presidente Prudente. Bolsonaro recorreu à instância superior. O Ministério Público alegou que a aglomeração fere o Plano São Paulo de Combate à Covid-19. Diante da decisão do juiz, o prefeito Ed Thomas (PSB) cancelou o almoço, que seria bancado por ruralistas, no Recinto de Exposições, para 2 mil convidados. A multa prevista na decisão foi estipulada em R$ 2 milhões. Bolsonaro vai a Prudente para assinar convênio de credenciamento do Hospital do Câncer pelo SUS. O presidente da Associação de Motociclistas, Sérgio Koiti Yoshida, disse que a motociata, com a presença do presidente, está mantida. “É uma forma de agradecer (o presidente) pelo credenciamento do hospital”, justificou, acrescentando que a luta se arrasta desde 2011. Koiti disse que a concentração será no prolongamento da Avenida Coronel Marcondes, próximo ao aeroporto. O percurso terá 67 km, com expectativa de reunir 20 mil motociclistas. A saída está prevista para as 9h.

Dhoje Interior

Convite 

O presidente do Patriota, Ulisses Ramalho, está com a moto preparada para participar da motociata, a ser liderada por Bolsonaro, em Prudente. Como vice-presidente estadual do partido, o patriota disse que, se der, vai bater um papo com o presidente e reforçar o convite para ele se filiar ao partido. Bruno Moura (PSDB) vai ao encontro, mas nada de motociata. Já Azor Lopes (Patriota) vai pôr a sua possante para rodar.

Fufuca

O deputado André Fufuca (MA) assumiu a presidência nacional do PP, substituindo o presidente Ciro Nogueira (PP-PI). Nogueira se licenciou do cargo de senador e da presidência da sigla para assumir o Ministério da Casa Civil, na quarta-feira. O vereador Paulo Pauléra, presidente do partido local, diz que não conhece o deputado, porém, afirmou que não muda nada: “É natural, já que ele é o vice-presidente”, frisou.

Ostracismo

O senador Olímpio, que morreu vítima de covid-19, faz falta no Senado. Combativo, não era de jogar a toalha ao defender suas convicções nos debates com seus pares e até críticas contundentes ao governo. Pois, bem! Alexandre Giordano (PSL), que assumiu a vaga dele, está no ostracismo. Antes de votar para senador, o eleitor deveria pesquisar a fim obter informação sobre o candidato a suplente. O improvável acontece! 

Em casa 

A vaga do senador Ciro Nogueira (PP-PI), licenciado do cargo para ministro da Casa Civil, será ocupada pela mãe dele, Eliane e Silva Nogueira Lima. A primeira vez que a piauiense assume um cargo político, justamente no Senado Federal. Sem ter atuado na vida pública, portanto, tem muito pouco para oferecer ao País. Isso é comum no Nordeste, cabeça de chapa colocar como suplente familiar próximo. Fica tudo em casa! 

Autonomia

O presidente do Conselho de Ética, Paulo Pauléra (PP), informou que o parecer jurídico diz que o órgão tem autonomia para executar “o processamento e o julgamento” da representação de pedido de punição ou não a Anderson Branco (PL). O vereador é acusado de divulgar imagem racista e homofóbica na rede social. “A conduta do vereador pode ser discutida dentro do conselho”, diz. A decisão acontece na semana que vem.

Voando baixo

Geraldo Alckmin (PSDB) vai hoje a Rio Claro para manter contato com prefeitos alinhados à sua pré-candidatura ao governo do estado, em 2022. A previsão é de que 40 prefeitos das regiões de São Carlos, Araraquara e de Araras vão recepcionar o ex-governador. Na última quarta-feira, Alckmin também se reuniu com 54 prefeitos das regiões de Marília e de Agudos. O quase ex-tucano, portanto, continua voando baixo.   

Sinal Vermelho

A medida que que incentiva mulheres a denunciarem situações de violência mostrando um “X” escrito na palma da mão, preferencialmente em vermelho, já está em vigor. A autoria da proposta, elaborada por um grupo deputadas, liderado por Margarete Coelho (PP-PI, foto), faz parte do programa Sinal Vermelho que motivou a criar a lei para combater a violência doméstica. Na prática, se a mulher for até uma repartição pública ou entidade privada participante e mostrar um “X” escrito na palma da mão, se possível, em vermelho, os funcionários deverão adotar procedimentos para encaminhar a vítima a atendimento especializado na localidade. O texto prevê a realização de campanhas para divulgar o programa.

Por Venâncio de MELLO – Redação jornal DHoje Interior