Menino com leucemia tem pedido de transferência recusado por plano de saúde

Foram oito dias de angústia. Nayana Carla Boneto de Souza, 32 anos, mãe de Gabriel Boneto, 10 anos, acompanhou o sofrimento do filho por mais de uma semana, após o diagnóstico de leucemia e a falta de um especialista para iniciar o tratamento do menino.

“Somos de General Salgado, interior de São Paulo, e viemos para Rio Preto por conta de dores no pescoço do Gabriel. Meu filho estava com uma íngua e reclamava muito de desconforto no local. Procuramos o hospital Beneficência Portuguesa, credenciado para atender o nosso plano de saúde. Na primeira consulta ele foi medicado e liberado.

Dhoje Interior

Voltamos para casa, mas como as dores continuaram, procuramos novamente ajuda médica. Na noite do dia 12 de agosto, Gabriel apresentou alterações no exame de sangue e foi internado. A médica disse que a suspeita era de leucemia ou infecção grave, mas que era preciso outros exames para a confirmação do diagnóstico”, disse a mãe da criança.
No dia 13, os exames confirmaram as suspeitas dos médicos. Gabriel possui um tipo de leucemia que ainda não foi classificada por falta de um especialista na área de oncologia. Diante da confirmação da doença, a mãe do menino solicitou a transferência da criança para o Hospital da Criança e Maternidade, o HCM.

“Briguei de várias formas para que o meu filho pudesse receber atendimento correto, com um médico especialista. Quando perguntava o motivo da demora na transferência, recebia as mais diferentes informações: uma hora era falta de vaga, outra dinheiro e até problemas administrativos entre o plano e a instituição prestadora do serviço. Pedi ajuda da minha família, queria evitar alguma atitude tomada pela emoção. Procurei a polícia para garantia a integridade do meu filho”, desabafou a mãe.

Em nota, o plano de saúde Bensaúde não informou o motivo da demora. Gabriel foi transferido para o HCM apenas na manhã de ontem, dia 21. O documento, enviado pela assessoria de imprensa, diz que o beneficiário Gabriel Boneto encontra-se internado no HCM de Rio Preto. E toda a cobertura necessária para o tratamento está sendo garantida pela operadora.

Já o hospital Beneficência Portuguesa disse em nota que o “Hospital reforça o seu compromisso com a saúde e a segurança do paciente e informa que prestou atendimento médico-hospitalar ao paciente Gabriel Boneto até o momento de sua transferência”. O hospital não informou se não possui oncologista no local.

A assessoria de imprensa do HCM informou que por ser um hospital de alta complexidade, atende pacientes encaminhados, seja pelo SUS ou planos de saúde e que, assim que recebeu o encaminhamento, admitiu o paciente na instituição, nesta quarta-feira (21).

O advogado Marcelo Lavezo destacou que as operadoras de planos de saúde devem oferecer atendimento médico para todas as patologias inseridas na Classificação Internacional de Doenças (CID).

“Se não havia um oncologista pediátrico no quadro de médicos do plano de saúde o correto é encaminhar para um prestador ou estabelecimento mesmo que não credenciado para realização do atendimento. Se o caso for de urgência ou emergência o encaminhamento deve ser imediato, conforme preconiza a ANS”, destacou.

Já o médico Gustavo Marcato disse que antes de qualquer transferência de pacientes é preciso analisar o quadro de saúde do usuário. “Quando o quadro é muito crítico, é preciso que a equipe médica estabilize o paciente antes de retirá-lo de um hospital para o outro. Só indicamos a transferência em casos onde não há riscos”, destacou.

Gabriel já está no HCM, onde passa por avaliações e exames. A mãe do menino, agora, respira aliviada.

“Graças a Deus estamos bem, sendo atendidos. Espero que outras pessoas não passem pelo que eu passei. Não é justo que isso aconteça. Não é justo pagar um convênio e ter que procurar a polícia para garantir o que é nosso por direito”, desabafou.

Por Jaqueline BARROS