MAIS FÉRTIL – Não desista do sonho de ter filhos

A maternidade não é um simples ato de decidir ter um filho, mas algo que surge primeiro no coração. A decisão muda completamente o olhar para vida e o desejo aumenta a cada dia.

Ser mãe não é algo mágico, é uma decisão que tem de partir do casal e, depois, da busca pelos meios naturais para que isso aconteça. Assim começa o processo. Mas e se, depois de um tempo esperando pela gravidez, ela não acontecer? O que fazer?

Dhoje Interior

Encarar desafios com otimismo e perseverança não é uma tarefa fácil. É muito comum que nossos pensamentos sejam, primeiramente, pautados em dificuldades, pontos negativos e barreiras, comportamento padrão que exercemos com muita frequência. Trabalhar o pensamento positivo exige certo exercício e prática, e principalmente, exige informação, dados para entender as possibilidades.

Sabemos bem que um diagnóstico de infertilidade pode causar uma série de frustações, dúvidas e pensamentos que permeiam altos custos, inviabilidade de sucesso, e técnicas pouco efetivas. Manter a esperança com essa premissa é mesmo complicado, mas o fato é que existem chances e maneiras de se obter o sucesso, iguais ou maiores do que as chances de uma reprodução por meios naturais.

A concepção, de maneira simples, é comparável ao plantio, o sucesso vai depender de um solo fértil e uma semente resistente, de boa qualidade, ou seja, os fatores relevantes são: idade da mulher, qualidade do óvulo, qualidade do espermatozoide e receptividade do útero. Esses fatores são os mesmos levados em consideração, para a concepção natural como na reprodução assistida. Em cada ciclo ovulatório da mulher, as chances reais de concepção são cerca de 20%. A concepção, naturalmente, é mais difícil em mulheres acima dos 40 anos.

A probabilidade de aborto ou anormalidades é a mesma, tanto após a indução de ovulação como após a concepção natural. Os riscos existentes dependem da idade da mãe e de fatores genéticos. Se houver gravidez após o tratamento, normalmente não são necessárias quaisquer medidas especiais. O trabalho de parto e a amamentação não serão afetados, de maneira alguma.

Portanto, as técnicas de reprodução assistida, quando bem indicadas e realizadas, possuem boas chances de sucesso. O tratamento da fertilização in vitro (FIV) tem uma chance de sucesso de cerca de 45% dos casos, mas pode chegar a 60% ou mais, dependendo da idade da paciente e/ou qualidade embrionária.

As técnicas de reprodução assistida devolvem a esperança aos casais com dificuldades, que de outra forma estariam impossibilitados de conceber. Se o desejo é forte, programe-se para essa jornada e não desista dos seus sonhos. A medicina está em constante evolução para lhe ajudar.

Por Luiz Fernando Gonçalves Borges – médico ginecologista e obstetra, pós-graduado em Reprodução Humana