Funcionários de terceirizada da Prefeitura reivindicam pagamento de salário

Foto Andressa Zafalon

Na manhã desta sexta-feira (23) ex-funcionários da empresa Prime, terceirizada do Executivo que cuidava da limpeza de prédios públicos, se reuniram em frente à Prefeitura para reivindicar o pagamento de salários atrasados, acerto de contas, férias e cestas básicas.

De acordo com a ex-funcionária Ana Laura, a situação está de passar fome. “Nós nunca paramos. Durante o lockdown que até os ônibus pararam, nós nos mantivemos trabalhando porque fazemos parte do tal serviço essencial. Tivemos que nos virar para ir trabalhar. Uns foram a pé, de bicicleta, de carona, mas ninguém deixou de ir trabalhar. Não estamos reivindicando nada além do que é de direito nosso”, ressalta.

Dhoje Interior

A Prime tinha em torno de 140 funcionários e a Prefeitura rompeu o contrato no começo de abril deste ano, momento em que contratou a nova empresa Ergoqualy. Segundo os ex-funcionários que estavam na manifestação, metade foi contratada pela nova empresa, se mantendo assim, nos seus devidos cargos. A outra metade está desempregada.

Durante a manifestação o Presidente do Sindicato dos Empregados em Turismo e Hospitalidade de Rio Preto, Sérgio Paranhos, conversou com o Secretário de Governo Jair Moretti, que aceitou receber dois representantes do grupo. O anúncio foi feito durante a live do DHoje.

Na reunião ficou decidido que a Prefeitura vai tentar efetuar o pagamento dos salários atrasados até a próxima terça-feira (27). “O Secretário disse que a empresa já passou as folhas de pontos para eles e que, desde quarta-feira (21) eles estão fazendo as conferências para tentarem efetuar nosso pagamento até a próxima terça. A Prefeitura tem R$300 mil retidos e vai nos pagar com esse dinheiro, o restante teremos que entrar na justiça para receber”, conclui a ex-funcionária Ana Laura.

Em nota, o Secretário de Governo Jair Moretti, informou que “a Prefeitura tem encontrado certa resistência por parte da empresa, que até o momento não forneceu os documentos para o pagamento dos salários dos colaboradores referente ao mês de março. A Prefeitura informa ainda que está reunida em tempo integral para encontrar soluções, destacando que os valores estão retidos e serão repassados diretamente aos colaboradores, mediante documentação e emissão da nota fiscal”, diz trecho da nota.

O Sindicato Seth também informou durante o encontro que já ingressou com ação cautelar na Justiça do Trabalho para garantir que os valores bloqueados pela Prefeitura fiquem exclusivamente para o pagamento dos funcionários.

Senhor Cícero Araújo, em frente à Prefeitura, simbolizando que não tem o que comer. Foto Andressa Zafalon

Por Andressa ZAFALON