Frio é fator de risco para doenças cardiovasculares mais comuns, alerta especialista

Imagem - Divulgação

De acordo com o cardiologista Danilo Martin, no frio aumentam os riscos de doenças cardiovasculares como infartos, acidente vascular cerebral (AVC), angina (dor no peito devido a diminuição de circulação nas artérias coronárias) e arritmias cardíacas.

Com a mudança no clima, os vasos sanguíneos se contraem e elevam a pressão,  podendo aumentar inclusive a liberação de adrenalina para manter o equilíbrio térmico. Pessoas que apresentam colesterol elevado, hipertensão arterial, diabetes e idosos, especialmente com idade acima de 65 anos, são mais vulneráveis e devem ficar alertas.

O especialista ainda destaca que nossos hábitos alimentares mudam com as baixas temperaturas resultando no aumento  dos nossos níveis de colesterol, com o consumo de alimentos mais gordurosos e é frequente um ganho de peso neste período. Em excesso, esse consumo favorece a formação de mais colesterol dentro do nosso sangue ( principalmente do LDL COLESTEROL RUIM) formador das placas de gordura que com o tempo podem obstruir e comprometer o fluxo sanguíneo nas artérias do coração e do cérebro, causando o ataque cardíaco ( infarto agudo do miocardio – IAM) e acidente vascular cerebral (AVC).

Estatísticas relevam que nos dias frios e pela manhã o risco de infarto do miocárdio são maiores.  A orientação é que durante os meses de frio, além de se manter bem agasalhados sejam realizados exames de rotina para acompanhar os níveis de colesterol no sangue e a pressão sanguínea.

A prática regular de atividades físicas é uma recomendação constante. Além disso, manter uma dieta saudável, evitar fumar e ingerir quantidades excessivas de álcool, uma vez que essas combinações elevam o risco de pressão alta, IAM e AVC.

Colaborou Sarah BELLINE.