Famerp está na lista de faculdades do país com nota máxima do Inep

O Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais) divulgou sexta-feira os resultados da avaliação do Índice Geral de Cursos (IGC) referentes ao ano de 2019. Os dados só foram divulgados agora em 2021 pois houve uma nova coleta de dados sobre os programa de pós-graduação feita pela Capes.

Em Rio Preto, a Faculdade de Medicina de Rio Preto (Famerp) obteve nota 5, sendo a nota mais alta no índice. Com o resultado, a Faculdade entre o grupo de 2% das 2.070 instituições de ensino superior avaliadas que tiveram a nota máxima. No Brasil 46 faculdades tiveram nota cinco, sendo 16 no Estado de São Paulo.

Dhoje Interior

“O nosso ótimo desempenho mostra que esta diretoria sempre esteve preocupada em elevar o ensino na Famerp, proporcionando todas as ferramentas necessárias para a aprendizagem do aluno e valorização de nosso corpo docente, além da modernização da nossa área de pós-graduação”, afirmou Francisco de Assis Cury, diretor geral da Famerp.

A Unesp também obteve nota cinco, porém a nota não é especificamente da unidade de São José do Rio Preto e sim da Universidade como um todo, que conta com 34 unidades em todo o Estado de São Paulo. Nas faculdades particulares, a Faceres teve o melhor desempenho com nota 4.

“A nota 4 é um conceito muito bom e difícil de ser alcançado. Essa avaliação envolve diversas variáveis como o corpo docente e a nota no Enade. Não é fácil ter esse indicativo e estamos felizes com o resultado. Nossa meta é atingir a nota cinco dentro dos próximos três anos”, afirmou o diretor da Faceres, Toufic Anbar Neto.

As outras faculdades de Rio Preto avaliadas receberam nota 3: Unirp, Unilago, Unorp, Fatec e Unip (esta última, assim como a Unesp, foi avaliada considerando o desempenho de todas as unidades). A Faculdade Dom Pedro II também aparece na lista, porém com nota dois.

As notas vão de 0 a 5. Quanto mais próxima a nota for de 5, melhor deve ser a qualidade da instituição. O cálculo para chegar ao IGC leva em conta a média do Conceito Preliminar de Curso (CPC), considerando o último Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), média dos conceitos de avaliação dos programas de pós-graduação e a distribuição dos estudantes entre as diferentes etapas de ensino superior (graduação ou pós).

Além de servir como avaliação da qualidade de ensino nas instituições, os dados do IGC subsidiam a definição de políticas públicas para a área e podem servir também de critério para a autorização de oferta de cursos de pós-graduação stricto sensu à distância.

Por Vinicius LIMA – redação Jornal DHoje Interior