Estudantes de Medicina emocionam pacientes em tratamento contra o câncer

Pacientes foram surpreendidas com ação de alunos

Uma ação especial realizada pelos alunos da LOF (Liga de Oncologia da Faculdade de Medicina Enfermagem e Psicologia de Rio Preto), para comemorar o Dia das Mães, encheu de emoção os corredores da ala oncológica do Hospital de Base na manhã desta quinta-feira (09).

Os estudantes promoveram uma homenagem em forma de surpresa a mães que passam por tratamento quimioterápico na instituição. Cartas com o tema ‘Se você fosse minha mãe…’, escritas pelos próprios universitários, foram lidas a todas as pacientes que chegavam para o tratamento. Para tornar a homenagem mais especial, ao final de cada leitura, as mulheres ganhavam uma rosa.

Dhoje Interior

Célia Alves, enfermeira docente da Famerp e coordenadora do projeto, explica que a iniciativa tem como intuito fazer com que os alunos se coloquem no lugar de cada paciente e criem empatia pelo próximo, já que serão os futuros profissionais de saúde.

A enfermeira ainda conta que nesse primeiro dia de ação a emoção tomou conta de todo o ambiente. “Eu particularmente estou emocionada, porque em 23 anos de carreira na oncologia nunca conseguiu fazer projetos como esse. Uma segunda coisa que me deixa muito feliz é ver que a forma de enfrentar a doença mudou. Hoje os pacientes não sentem mais medo de enfrentar o câncer, isso porque recebem apoio em ações como essa”, frisa Célia.

A ação conta com a participação de 50 estudantes e também será realizada hoje (10). Nesta quinta-feira (09), 40 flores foram entregues para pacientes e a expectativa é que cerca de 30 fores sejam distribuídas.

A aluna do 2° ano de enfermagem Maria Eduarda Dóro Mota, 19, faz parte da coordenação do projeto. Ela destaca que a liga que está responsável pela ação trabalha com três vertentes o ensino, pesquisa e a extensão. Um dos projetos realizados foi a extensão do Dia das Mães. “Esse projeto é muito importante não só pra mim, mas como para todos os ligantes, pois nós estamos em uma profissão que é necessário ter empatia, por isso levar um mimo para uma mulher que se encontra em uma fase tão difícil da sua vida é muito gratificante”, afirma Maria.

Além de uma experiência profissional a aluna revela que a bagagem pessoal adquirida também é muito importante. “Foi bastante gratificante, visto que durante a escrita das cartas já foi emocionante por escrever como se fossem nossas mães. No momento da ação foi uma troca de carinho e de energias”, finaliza a estudante.

Colaborou Thais LOBATO