POLÊMICA: Estado identifica 4,7 mil registros que indicam aplicação de vacinas vencidas

A Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo emitiu uma nova nota oficial na tarde desta sexta-feira (2), às 16h, dessa vez informando que identificou 4.772 registros em 315 municípios de possíveis aplicações da vacina AstraZeneca após a data de validade. Na primeira nota, enviada às 14:07, o Estado apenas orientava os municípios a verificarem as datas de validade das doses antes de aplicar.

“Por meio da plataforma VaciVida, sistema online que permite o monitoramento dos vacinados, a Secretaria de Estado identificou 4.772 registros em 315 municípios que sugerem aplicações dos imunizantes da AstraZeneca após o vencimento. A pasta está informando as prefeituras, que são as responsáveis pela aplicação das vacinas, para realizar busca ativa desta população. Cada prefeitura pode consultar os dados da sua cidade no VaciVida e identificar o munícipe que eventualmente tenha recebido uma vacina vencida. Caso seja uma situação de erro de digitação do lote ou de data de aplicação, os municípios também podem realizar a correção na plataforma”, diz um trecho da nota.

Dhoje Interior

A Saúde também orientou os municípios sobre como proceder em caso de aplicação de vacinas vencidas. “Se constatada a aplicação de uma vacina fora da validade, o caso deve ser avaliado individualmente para definição da conduta apropriada definida pelo PNI (Programa Nacional de Imunizações). Quem tiver dúvida com relação a validade do imunizante da Astrazeneca que recebeu deve procurar a unidade de saúde em que foi vacinada. Além disso, se o cidadão identificar uma data ou lote divergente da carteirinha em papel em relação ao digital, deve procurar o serviço municipal para emissão de um novo documento impresso”, diz a nota.

A Secretaria ainda reforçou para que os municípios verifiquem a data de validade antes do uso do frasco da vacina, inclusive com documentos técnicos com todas as condutas necessárias. As prefeituras de Rio Preto, Mirassol e Monte Aprazível negaram que tenha ocorrido vacinação fora do prazo de validade.

Por Vinicius LIMA – redação Jornal DHoje Interior