Entregadores de moto em Rio Preto aumentam 400% em um ano

Comparando janeiro e fevereiro de 2021 com o mesmo período de 2020, Rio Preto tinha 127 entregadores para atender pedidos delivery e atualmente já são mais de 500, o que representa um aumento de 400% de profissionais atuando na área, mais especificamente no setor de fast-food.

Os dados são da empresa Logical Delivery, especializada em tecnologia que conecta entregadores autônomos com estabelecimentos para compartilhar a atividade de entregas.

Dhoje Interior

De acordo com a empresa, também houve um crescimento no número de pedidos, em 2020, nos dois primeiros meses, foram registrados 31.219 pedidos, contra quase 75 mil no mesmo período de 2021.

É um setor que está no ranking dos que mais cresceram devido à pandemia e o fato de cada vez menos podermos sair de casa. No entanto, com isso, a concorrência também aumenta, haja vista que, por estar em crescimento, muitas pessoas acabam abrindo seu próprio negócio e cabe às empresas inovar para atrair mais clientes.

Um exemplo disso é a pizzaria Molecaggio que tem a matriz em Rio Preto e diversas franquias espalhadas pela região.

“Temos o nosso próprio aplicativo, lá reforçamos para o cliente a comodidade e agilidade e ainda proporcionamos descontos exclusivos”, explica Lara Ribeiro Silva, consultora estratégica da rede  de pizzas.

Só neste ano a empresa já contratou 40% a mais de entregadores em relação ao ano passado. Além dos entregadores, foram contratados atendentes de call center, auxiliares de produção e atendentes de lojas.

Segundo os empresários do setor, a tendência é que com o decorrer do ano o serviço de delivery continue aumentando. “Com a pandemia, comprar pelo delivery tornou-se um hábito. Além de aumentar o consumo, as pessoas aumentaram a frequência de compra, o que “forçou” todos os comerciantes que atuam nessa modalidade a aprimorar seus serviços a fim de atender a demanda”, comenta Lara.

O Matheus Santana trabalhava com carteira assinada antes da pandemia, acabou perdendo o emprego e optou por ser entregador. “Vendo esta situação e a crise econômica que se estabeleceu, enxerguei no setor de delivery um caminho para continuar tendo renda e me manter. Estou há três meses e estou conseguindo me manter com o que recebo das entregas”.

Brasil

Um levantamento feito pela Mobills, startup de gestão de finanças pessoais, registrou que de março a dezembro de 2020, o brasileiro gastou 187% a mais em pedidos de delivery, dando uma média de, pelo menos, R$100,00 por mês por brasileiro.

A pesquisa levou em consideração os gastos feitos por 46 mil brasileiros ao longo do último ano e constatou que a alta no setor foi alavancada pelo serviço de entrega de comida, por meio de aplicativos terceirizados.

Por Andressa ZAFALON