Empresários protestam e prometem amanhecer segunda em frente ao Paço Municipal

Manifestação em frente à Prefeitura

Cerca de cem pessoas se reuniram na tarde desta sexta-feira (5) em frente à Prefeitura e depois em frente à Câmara de Rio Preto para protestar contra o fechamento do comércio adotado pelo governador João Doria e pelo prefeito Edinho Araujo.

Os manifestantes discursaram e expuseram suas opiniões contra a situação atual. Havia empresários, comerciantes, motoristas de aplicativos, profissionais de educação física, entre outros.

Dhoje Interior

“Não suportamos mais esta situação por uma questão de sobrevivência. Estamos sendo prejudicados, temos funcionários para pagar, família para sustentar, contas pra pagar também. Estamos falindo. Nós queremos atenção”, comenta Paulo Santana, um dos organizadores do manifesto.

Para segunda-feira está sendo organizado um novo protesto, desta vez mais encorpado e melhor divulgado, afirma Paulo. Previamente está marcado para às 8h em frente à Prefeitura.

O Sincomércio (Sindicato do Comércio Varejista de Rio Preto) está apoiando a causa que envolve empresários, salões de beleza, profissionais de educação física, motoristas de aplicativos, comerciantes, setor de entretenimento, caminhoneiros e população em geral que apoia a reabertura do comércio.

Além disso, o Sincomercio fez uma projeção de onde estamos e para onde vamos. “Estimamos que o comércio varejista paulista possa registrar perda média de R$ 11 bilhões no mês, diante da restrição das atividades não essenciais, cifra semelhante aos impactos mensurados de recuo médio mensal de abril e maio de 2020, meses mais críticos da pandemia no ano passado”, explica na nota.

O sindicato ainda reforça que sem a fiscalização constante e intensiva das atividades clandestinas, principais fatores de disseminação do vírus, a regressão de fase não terá a eficácia esperada.

E complementa dizendo que “o comércio formal não é responsável pela proliferação do novo coronavírus, já que a flexibilização das regras de funcionamento desse setor existe desde agosto em diversas regiões do Estado”.

A Acirp, através de nota, informou que não apoia nenhum tipo de manifestação, pois entende que é preciso esperar essas duas semanas em que o Governador decretou todo o Estado na fase vermelha, para que a Administração Municipal possa aumentar a capacidade de atendimento das estruturas de saúde.

A assessoria de imprensa informou ontem no final da tarde que a Prefeitura de Rio Preto não se manifestaria sobre o protesto.

Manifestação em frente à Câmara.

Por Andressa ZAFALON