Confira ‘Nos Bastidores da Política’ deste sábado (21)

Nota 10 quer atuar

Diego Mahfouz Faria Lima, o Professor Nota 10 (foto), apesar de ter recebido votação expressiva nas eleições promovidas no dia 15 de novembro, não conquistou uma cadeira na Câmara. É o primeiro suplente do MDB. Além do material de campanha liberado pelo partido, ele diz que recebeu pequena quantia em dinheiro destinada aos negros como determina a lei eleitoral. O Professor Nota 10, que ganhou prêmio internacional pelo seu trabalho na escola “Darcy Ribeiro”, Zona Norte, diz que ficou feliz pela expressiva votação, que mostrou o reconhecimento da população pelo seu trabalho. “Foi gratificante”, diz. Mesmo como pouco recurso e a colaboração de quatro voluntários, Nota 10 obteve 2.727 votos, o 14º mais bem-votado na disputa por cadeira na Câmara. Agora, ele espera a reforma do secretariado a ser feito pelo prefeito Edinho Araújo (MDB), com o objetivo de nomear algum vereador do partido para ocupar uma pasta, assim abriria uma vaga para ele atuar na Câmara. “Essa é a minha expectativa”, frisa. Pelo seu histórico, merece, porém, difícil é o prefeito abrigar todo mundo sob a mesma peleja.

Dhoje Interior

Última hora

O vereador reeleito Paulo Pauléra (PP) disse que seu nome está à disposição para disputar novamente a presidência da Câmara, porém, lembrou que ainda é cedo para começar a debater a escolha do novo comandante da Casa. Frisou que outros vereadores também têm interesse em concorrer ao cargo. Citou Jorge Menezes (PSD), Fábio Marcondes (PL), Celso Peixão (MDB) e Karina Caroline (Republicanos). Pela experiência, Pauléra diz que seu nome sempre é lembrado para o cargo: “Mas isso é decidido na última hora”, ponderou.

Disposição

O presidente do MDB, Pedro Nimer, frisou que seu partido tem “bons nomes” para disputar a Presidência da Câmara, porém, tem a mesma opinião do atual presidente Paulo Pauléra, afirmando que ainda é cedo para debater o assunto. “Sim, podemos entrar na disputa, porque todos os partidos têm esse direito”, ressaltou. Apesar disso, Nimer frisou ainda que os vereadores emedebistas também teriam que mostrar disposição em disputar o cargo. O vereador reeleito Jean Charles (MDB), por exemplo, já foi presidente da Casa.

Reforma

Sobre a reforma no secretariado que Edinho Araújo (MDB) terá de fazer no quadro de primeiro escalão, o presidente emedebista Pedro Nimer declarou que essa é uma questão exclusiva do prefeito. “O prefeito Edinho tem de ficar à vontade para fazer essa análise (sobre a reforma)”, ponderou. Edinho é técnico expert no assunto e sabe muito bem onde poderá mexer, sem causar traumas nas alterações a serem feitas na equipe. Além disso, quem ocupa cargo de confiança também tem de ter a consciência que ele não é vitalício.

Colonos

Um grupo de candidatos a vereador, tidos como colonos de caciques empoderados economicamente ou por já terem uma carreira política longínqua como vereador, parece que chegou ao fim. É o que se prevê. Se insistir é porque gosta de colaborar com os caciques ou porque sempre recebe uma contrapartida, por exemplo, indicação para ocupar cargo na Câmara ou no Executivo. Nas últimas eleições, alguns colonos disputaram pela quarta ou quinta vez consecutivas uma cadeira na Câmara. Como o grupo não conseguiu, esquece!

Longe

O ex-presidente do PTC Adideus Cardoso quer ficar longe do imbróglio que envolveu o partido durante a campanha eleitoral. Por ter reclamado que a chapa de candidatos a vereador não estava recebendo ajuda do PSL, como havia combinado para chancelar a coligação, Adideus foi destituído pelo presidente estadual Carlos Almeida e substituído por Anderson Rogério dos Santos. Agora, o grupo de candidatos diz que Anderson se autodemitiu para fugir das contas. “Eu não tenho nada a ver com isso”, diz Adideus. E não tem mesmo!

Reflexão

No dia da Consciência Negra, o presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ressaltou que a luta pela igualdade e contra o racismo é permanente. Maia destacou que a data traz uma reflexão necessária de que igualdade e representatividade precisam ser diárias. “Em tempos de intolerância, o Dia da Consciência Negra traz uma reflexão necessária a todos nós. A data tem que ser vivida e lembrada todos os dias para não esquecermos nunca que a luta pela igualdade e contra o racismo é permanente”, destacou Maia.

Força cerebral

O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) escorregou ao declarar ontem: “Para mim, no Brasil não existe racismo!”. A frase está relacionada ao espancamento até a morte de João Alberto Silveira Freitas, anteontem, em Porto Alegre, por dois seguranças de um supermercado. Ambos estão presos por homicídio qualificado. Mourão disse ainda que racismo é uma coisa que querem importar para o Brasil, mas não existe. Infelizmente, existe de forma camuflada, agora, mais triste ainda quando há excesso praticado por policiais despreparados nas abordagens contra negros. O diabo é que essas práticas são recorrentes e até parece que nunca terá fim. As empresas responsáveis pelo treinamento de pessoas que atuam como seguranças, entretanto, deveriam fazer testes rigorosos para constatar se o indivíduo tem ou não condição psicológica para exercer a atividade. Mais importante que o músculo, é a força cerebral…

Por Venâncio de MELLO – Redação jornal DHoje Interior