Confira ‘Nos Bastidores da Política’ desta quinta-feira (30)

No páreo

Os vereadores sabem que a reabertura do comércio só será possível a partir de 11 de maio, já que o prefeito não pretende desrespeitar o decreto estadual, devido ao vírus. Mesmo cientes disso, um grupo insiste em cobrar a antecipação da retomada das atividades. Marinho das Bombas (Patriota) sugeriu para o prefeito antecipar a reabertura para 7 de maio, três dias antes do prazo estabelecido pelo decreto. Marinho não vai disputar a reeleição, porém, tem seus motivos para marcar território: o filho Bruno Marinho estará no páreo.

Dhoje Interior

Estaca zero

As medidas restritivas adotadas para controlar a pandemia, de acordo com dados apresentados pela área da saúde, proporcionaram bons resultados no controle do coronavírus, inclusive, com número reduzido de mortes, oito, até o fechamento desta coluna. Se continuar assim até 10 de maio, quando expira o decreto do governador João Doria (PSDB), o prefeito Edinho Araújo (MDB) poderá ampliar a liberação da reabertura do comércio. Agora, a população tem de continuar colaborando para não voltar à estaca zero.

 

PTC decide

A direção do PTC marcou reunião para a próxima terça-feira definir a pré-candidata a prefeita que irá disputar as eleições em outubro. Danila Cintia Azevedo, que atuava na formação da Aliança Pelo Brasil, partido que está sendo formado para abrigar o presidente Jair Bolsonaro, deverá ser confirmada como representante do PTC. A informação é do vice-presidente Adideus Cardoso, que está cotado para sair como vice na chapa. Como não tem tempo de TV, Adideus disse que a campanha será focada na rede social.

E daí?

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) deixa qualquer analista político em dúvida ao tentar entender o que realmente está querendo dizer. A última dessas confusões se deu, quando comunicado do número de mortes no país, em razão do coronavírus. Simplesmente respondeu: “E daí? Eu sou o Messias, mas não faço milagre”. Como líder da Nação, até parece que o assunto não interessasse a ele. Bolsonaro deveria entender que são vidas que se perdem, famílias desesperadas e o medo espalhado por todo o país.

Fundo do baú

O presidente Jair Bolsonaro declarou, na campanha de 2018, que não pretendia disputar a reeleição. Ao chegar no poder, no entanto, já está pavimentando o caminho para concorrer no processo eleitoral em 2022. A declaração irônica, “e daí?”, por exemplo, macula a sua imagem e dá munição para os adversários políticos explorarem as recaídas dele na campanha eleitoral. Como é de praxe em qualquer campanha, pode ter certeza que tudo o que o presidente fala, de forma negativa, está guardado no fundo do baú.

Vota hoje

A Assembleia Legislativa vota hoje, em sessões extraordinárias, projeto que corta despesas com o objetivo de economizar R$ 320 milhões. O recurso, que será repassado ao estado, será destinado ao combate da covid-19. Pela proposta não sofrerão cortes os servidores que ganham até o teto do INSS, R$ 6.100 mensais. Servidores comissionados, que ganham até 10 salários mínimos, devem ter corte de 10%. Para quem ganha acima fica mantido o corte de 20%. O corte do auxílio alimentação também deverá ser retirado.

Tenebroso

Comentando sobre a coletiva de imprensa feita pelo governador João Doria e pelo prefeito da capital, Bruno Covas, ambos do PSDB, o deputado Paulo Fiorilo (PT) criticou as declarações do prefeito. “A fala do prefeito foi mórbida, dizendo de quantas covas serão abertas, de quantos caixões serão comprados, de quantas câmaras frigoríficas serão contratadas”, frisou. O assunto, quando fala em doença e morte, fica tenebroso. Agora, como fugir dessa situação latente provocada pelo vírus que veio da China? Fique em casa!

Caminhoneiros

Projeto do deputado Vicentinho Júnior (TO) assegura a caminhoneiros autônomos e a profissionais do setor de transporte de cargas prioridade no acesso à vacinação durante a pandemia de covid-19. O texto está sendo analisado pela Câmara dos Deputados. O autor defende como essencial assegurar a saúde desses profissionais, a fim de que o País possa enfrentar a grave crise provocada pela pandemia do novo coronavírus. “Precisamos garantir a esses profissionais acesso facilitado à vacinação”, ressaltou.

Por Venâncio de MELLO