Confira a coluna ‘Nos Bastidores da Política’ deste sábado (11)

Parecer

O presidente do Conselho de Ética, Marinho das Bombas (Patriota) (foto), disse que vai esperar parecer do Jurídico para saber se a denúncia contra Anderson Branco (PL), por quebra de decoro, é legal ou não. Marco Rillo (PSOL) acusa o opositor de ter interferido, com o uso de microfone durante a fala de Renato Pupo (PSDB), na última terça-feira. Se a denúncia proceder, Marinho diz que vai convocar os membros do Conselho de Érica para dar prosseguimento ao processo. “Neste caso, o vereador Anderson será ouvido”, diz.

Dhoje Interior

Questiona 

Marinho das Bombas (Patriota) questionou, porém, que a denúncia contra Anderson Branco (PL) deveria ter sido feita pelo vereador que havia sido prejudicado, no caso, Renato Pupo (PSDB). “Rillo se sentiu no lugar do Pupo, como delegado, porque ele não entrou?”, pergunta Marinho, acrescentando que estava falando como vereador e não como presidente do Conselho de Ética. De qualquer forma, o Conselho de Ética estava no ostracismo e, por ser polêmico, Anderson Branco poderá dar um pouco de trabalho aos membros.

Engolir

O presidente (DC), Adilson Feliciano, prevê que o número de pré-candidatos a prefeito, atualmente são 13, deverá cair para sete até as convenções. Como estão ocorrendo interferências dos dirigentes das executivas nacional e estadual, que defendem alianças nas eleições majoritárias, o número de pré-candidatos, segundo ele, deverá cair ainda mais nas convenções, que acontecem entre 31 de agosto a 16 de setembro. “O rio sempre corre para o mar”, diz. As mais fortes, portanto, vão ‘engolir’ as pequenas candidaturas.

Lenta

O pré-candidato a prefeito Carlos de Arnaldo (PDT) continua se recuperando em sua casa. Por ter contraído a Covid-19, o ex-vereador ficou 10 dias internado na enfermaria do Hospital de Base. Para os negacionistas a ação nefasta do coronavírus, Carlos Arnaldo revela que a recuperação é lenta: “Estou fazendo fisioterapia para os pulmões e pequenas caminhadas”, conta, acrescentando que demora algumas semanas para voltar à normalidade. “Obrigado a todos pelas orações e positividade, com Deus venceremos”, agradeceu.

Compromisso 

O engenheiro Marco Casale, pré-candidato a prefeito pelo PSL, informou que esteve em São Paulo esta semana para conversar com o presidente estadual do partido, deputado federal Júnior Bozzella. Casale disse que voltou da Capital “super animado” porque o deputado reafirmou compromisso que vai dar apoio para chapa de pré-candidatos a vereador, que vai disputar cadeiras na Câmara. Casale informou ainda que a chapa será completa com 26 postulantes, sendo 18 homens e oito mulheres, como exige a Justiça Eleitoral.

Sinal vermelho 

Karina Caroline (Republicanos) reivindicou a Secretaria da Mulher, por meio de indicação, para fazer uma parceria com o Sindicato dos Farmacêuticos, a fim de orientar os atendentes das farmácias como proceder ao atender mulher vítima de violência doméstica. Campanha Nacional criou o Sinal do X, a mulher ao ser atendida, mostra a palma da mão e o atendente sabe que ela necessita de ajuda. A Polícia Militar é acionada pelo 190. “É preciso orientar o pessoal, às vezes, o agressor está junto”, explica a vereadora.

Muito papo

O presidente da Câmara, Rodrigo Maria (RJ), afirmou que, se o Senado não retomar o debate sobre a reforma tributária por meio da comissão temporária criada no início do ano, os deputados voltarão a discutir a proposta a partir da próxima terça-feira. Maia cobrou que o governo encaminhe texto sobre a reforma para ser incorporado ao debate. “Não tem nada mais importante do que melhorar o sistema de negócios no Brasil”, ressaltou. Se a proposta é importante, então, porque ainda não foi aprovado? É muito papo…

Na rua…

O presidente do Conselho da Amazônia, Hamilton Mourão, disse que as medidas para combater o desmatamento e as queimadas na Amazônia deveriam ter sido implantadas em dezembro, porém, começou tarde. A culpa, portanto, é do ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente), aquele que defendeu passar uma boiada para multiplicar os malfeitos naquela região. O ministro Alexandre Moraes, do STF, pediu à PGR para abrir inquérito por causa da declaração. Se o governo Jair Bolsonaro não fosse leniente, Salles já estava na rua.

Por Venâncio de MELLO – Redação jornal DHoje Interior