COMER, BEBER E AFINS – No. Cafee é tendência verão no bairro Redentora

O No.cafee funciona de terça a domingo

O No.Cafee acaba de ser inaugurado numa esquina do bairro Redentora com cardápio inspirado no brunch americano, com toasts e panquecas. A ideia, da empreendedora Marisa Borsato, veio complementar a iniciativa da filha Maisa, estilista da Maria`s.

O mais pedido: toast com parma, figo e queijo brie

As criações da moça fazem parte da decoração do café, que tem estilo lounge com poltronas, mesas e imagens inspiradoras nas paredes, iluminadas por lustres de cristal e luminárias retrô.

Dhoje Interior

É um local acolhedor com som ambiente, wifi para se navegar degustando espumante, que vem no balde com gelo acompanhado de buquês de flores naturais. Perfeito para o clima rio-pretense e a temporada que começou com temperaturas lá em cima.

A casa é voltada ao público A e o menu tem opções com requintes de sabor, como o toast com presunto parma, figo e queijo brie acompanhado de salada de rúcula ou o salmão defumado com cream cheese e azeite trufado.

A panqueca americana com nutella e morango

Há ainda sobremesas irresistíveis como a panqueca americana recheada de banoffee ou com nutella e morango. Para beber? Pode ser café com licor 43, vinho ou sucos.
O No.cafee fica na Rua Antonio de Godoy, 3686. Para reuniões e reservas ligue (17) 99788-3197.

Toast com tomate confit e ovo molet

 

 

 

 

 

 

 

Conversa com o Presidente da Acirp – Kelvin Kaiser

Kelvin Kaiser tem 40 anos e é o mais jovem presidente da Associação Comercial e Empresarial de São José do Rio Preto (Acirp), que completa 100 anos neste mês. Formado em Administração com ênfase em Comércio Exterior pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e com MBA Executivo pela Fundação Don Cabral. É Diretor Executivo do Grupo Cene e fundador e Diretor Executivo da Kaiser Agro. Assumiu o comando da Acirp num dos momentos mais críticos para a economia mundial com a chegada da pandemia. Ele conversou com a coluna sobre esse desafio e a intenção de realizar festivais gastronômicos na cidade, unindo restaurantes e afins.

Comer, Beber e afins Rio Preto – Rio Preto é um polo regional de comércio e tem uma população flutuante de 1,5 milhão de pessoas. Qual foi o principal desafio no enfrentamento de uma pandemia?
Kaiser – O desafio maior foi equilibrar saúde e economia, mantendo amparados os empresários e respeitando todas as questões técnicas da Secretaria de Saúde. E ainda estamos lutando nesse cenário, porque a pandemia continua. O equilíbrio de forças é essencial para vencermos. Hoje, a Acirp possui 15 núcleos de atividades setoriais que foram essenciais na retomada, pois ajudaram empresários a discutir a melhor maneira de voltar ao mercado e apresentar ao Poder Público todos os protocolos de funcionamento de seus estabelecimentos.

Comer, Beber e afins – O senhor enquanto empresário é exemplo de sucesso. Como define a experiência à frente da mais representativa entidade do setor produtivo da região?
Kaiser – Assumir a Acirp é uma grande honra e um grande orgulho, mas, somados a uma grande responsabilidade. O centenário nos mostrou claramente isso: o tamanho das lutas e conquistas que a Acirp teve ao longo desses anos em São José do Rio Preto. Estar à frente da Acirp é também uma grande oportunidade de continuar esse desenvolvimento propondo ideias e debates com as principais entidades produtivas da cidade, junto ao nosso Poder Público.

Comer, Beber e afins – Rio Preto terá em breve um novo polo de atração na área central, com a reinauguração do Mercado Municipal. O senhor acredita que a gastronomia do centro ganhará mais opções?
Kaiser – O Mercadão Municipal é um dos principais pontos turísticos de nossa cidade. A reforma foi um grande passo para que possamos trazer mais movimento para a área central do município, em qualquer horário. O Mercadão revitalizado e, da forma como está sendo proposto, com duas praças de alimentação seguindo modelo parecido com o de shoppings, fica extremamente atrativo para que as pessoas passem nesses locais e consumam lá. E isso faz girar a economia como um todo. E essa questão agrega, diretamente, a lei de liberdade de empreender.

Comer, Beber e afins – Há uma tendência nacional pelos parklets. O centro comporta modelos assim?
Kaiser – Sim. É importante lembrar que a Acirp tem projetos junto ao Poder Público para que na área central também sejam instaladas mesas padrões (de madeira, com guarda-sol) para que os restaurantes possam atrair o seu público para consumir dentro e fora do horário comercial. Rio Preto é uma cidade quente, então é muito agradável no final do dia você poder ir ao centro e ficar ali na área de convivência. Precisamos fazer com que esse movimento aconteça e o centro se torne uma área viva e segura de nossa cidade, inclusive com novas atividades gastronômicas.

Comer, Beber e afins – Na Redentora, bairro que integra o quadrilátero central, temos os melhores points de gastronomia e há novos surgindo. De que forma a Acirp tem apoiado esses empreendedores?
Kaiser – Este foi um dos setores mais prejudicados pela pandemia. Junto ao SINHORES, numa junção de forças, criamos o Núcleo de Bares e Restaurantes que tem a participação de 33 empresários da área e é bastante ativo, planejando e executando ações que tragam melhorias para o setor. Temos diversos planos para transforma Rio Preto em uma cidade atrativa para eventos e turismo. O Centro de Convenções e Eventos é uma realidade que a Acirp quer fazer acontecer, junto ao Poder Público, nos próximos anos – se possível, ainda nesta gestão da Acirp.
Também está prevista a realização de dois ou três festivais gastronômicos. Nossa proposta é unir a categoria e discutir possibilidades de, em conjunto, trazer melhorias para o setor.

Comer, Beber e afins – A melhor gastronomia que já provou nas suas andanças pelo mundo foi…
Kaiser – No México e Tailândia. Não gostei muito da comida na China; mas nesta mesma viagem, passei pela Tailândia e adorei a comida. A comida tailandesa é fantástica pelos temperos, misturas e, principalmente, a exuberância de frutos do mar. No México, no período em que morei lá (foram três meses), a comida me encantou. Mas, é impossível não falar da nossa feijoada e do churrasco que são os campeões, na minha percepção, da nossa comida brasileira que é tão rica.

Por Ellen LIMA