Cia. Cênica apresenta espetáculo Sabiás do Sertão

A Cia. Cênica apresenta nesta quinta (20), às 20h, em sua sede, em Rio Preto, o espetáculo Sabiás do Sertão – Teatro musical brasileiro em um ato, uma chegança e uma andança, que conta a história de Cascatinha e Inhana, expoentes da música caipira, primeira dupla sertaneja formada por marido e mulher. A entrada é gratuita.

O espetáculo é livre para todos os públicos e os lugares limitados. A retirada de ingressos deve ser feita a partir das 19h no local. O endereço da sede da Cia. é Avenida das Hortências, 263, no Jardim dos Seixas, em Rio Preto. A apresentação é pelo Arte de Quinta, ação do PROJETO TERRITÓRIO CÊNICO 2018. Por meio dela, até outubro, a companhia apresentará gratuitamente todos os espetáculos de seu repertório.
Em Sabiás do Sertão, o circo e o rádio, presentes na trajetória da dupla Cascatinha e Inhana, são trazidos à cena por uma companhia ambulante de teatro, com artistas rapsodos que contam, vivem, tocam, dançam e cantam um pouco da vida e muito do rico repertório de toadas, guarânias, rasqueados, boleros, rancheiras e canções imortalizadas nas vozes de Cascatinha e Inhana.

Dhoje Interior

As canções que compõem o repertório da dupla configuram-se como um importante elemento narrativo e são interpretadas pelo elenco. O espetáculo estreou em agosto de 2013. A Cia. convidou para a codireção e a direção musical do espetáculo Luiz Carlos Laranjeiras, ator, diretor, compositor e investigador da cultura popular brasileira e de sua influência na formação do ator no Brasil.

Encontro
Também pelo PROJETO TERRITÓRIO CÊNICO 2018, nesta semana, a Cia. Cênica oferece outra atividade gratuita, o encontro Samaúma – Sobre Mães-Árvore e Atrizes Polivalentes, conduzido por Juliana Calligaris e Fernanda Missiaggia, voltado a mães artistas. Será neste sábado (22/9), às 10h, na Praça das Rosas, que também fica no Jardim dos Seixas, em frente ao Colégio Criarte.

Ritualizado em forma de piquenique, o encontro irá tratar sobre o que é ser essa espécie de mulher-árvore, samaúma gigante, deusa da humanidade para alguns povos indígenas. Essa mãe empoderada que também é atriz polivalente: atua, produz, ensaia, apresenta e, acima de tudo, é nutriz, progenitora e tronco. Não é necessário fazer inscrição para o encontro. As participantes devem levar algum alimento para saborear e partilhar durante a atividade.

 

Da REDAÇÃO