Casamentos têm redução e acontecem cada vez mais tarde

celebração - Alex Silva Santos (31) e Cássia Valsechi Silva Santos (31). Foto Arquivo Pessoal

A quantidade de casamentos anuais no Estado de São Paulo tem sofrido redução nos últimos anos. Em 2016, foram realizadas 296.546 uniões conjugais, 8.845 a menos do que 2015, quando foram registrados 305.391 casamentos. No ano passado, o número de enlaces matrimoniais apresentou outro decréscimo, dessa vez de 4.603, uma queda de 1,5%. Quando levado em consideração apenas as informações de Rio Preto, de 2016 para 2017 teve uma diminuição pequena, mas teve uma redução: passou de 3.130 para 3.127. Os dados foram levantados pela Fundação Seade (Sistema Estadual de Análise de Dados).
Apesar de ter ocorrido uma redução no número de casamentos, a quantidade de uniões conjugais entre pessoas do mesmo sexo apresentou aumento de 19,2%, passou de 2.094 em 2016, para 2.497, em 2017, um total que corresponde a 0,9% de todos os casamentos realizados no estado. Desse total, 1.495 (57,4%) entre cônjuges femininos e 1.002 (42,6%) entre cônjuges masculinos.

Média por idade

Dhoje Interior

Outro dado que apresentou um aumento foi a idade média em que os casais concretizam o enlace matrimonial. Em 2016, a média registrada foi de 33,9 anos para o sexo masculino e de 31,3 anos para o sexo feminino. De 2016 para 2017, a idade média subiu: os homens ficaram na casa de 34 anos e as mulheres de 32 anos. Entre os casais do mesmo sexo, a média registrada foi de 35 anos para os homens e de 34 para as mulheres.
De acordo com o relatório da Seade, apresentado em abril deste ano, a idade média das pessoas que se casam vem aumentando todos os anos desde o início dos anos 2000. Vanderléia Valéria de Melo, professora e socióloga, explica o motivo das pessoas estarem casando mais tarde. “No Brasil, nas últimas décadas, as pessoas estão procurando o matrimônio cada vez mais tarde. Fatores pessoais, como dedicação maior aos estudos, ter sucesso na profissão e ter estabilidade financeira, estão entre os principais motivos das pessoas adiarem o casamento”, comenta.
O funcionário público Alex Silva Santos, 31, e a jornalista Cássia Valsechi Silva Santos, 31, representam um exemplo de casais que esperaram um tempo a mais para depois concretizar a união conjugal. Foram 13 anos juntos, até a celebração do casamento, que ocorreu em 30 de junho de 2018, em uma cerimônia realizada na Basílica de Rio Preto. Alex comenta que um dos motivos que levou a demora foi o planejamento. “Quando fez 7 anos, nós ficamos noivos. Depois construímos a casa, porque quem casa quer casa. Só depois com a casa mais ou menos nos conformes, que nós resolvemos mexer com a ideia da celebração do casamento”, comenta.

Período mais escolhido

Comparado a 2016, não houve mudanças significativas nos meses de preferência para a realização de casamento em 2017. No ano passado, assim como no retrasado, 55% dos casais deram prioridade para oficializar a união nos meses do segundo semestre. Desse total, 11% dos casamentos foram registrados em dezembro, 0,6% a menos do que em 2016.

Por – Leandro BRITO