DHoje e protetores incentivam adoção de animais abandonados

Há algum tempo parcerias entre o Jornal DHoje, pessoas, ONGs ou entidades de proteção de animais tem amenizado um pouco o sofrimento do abandono dos pets. Quase que diariamente, na capa da edição impressa, o jornal traz a foto e identificação de algum animal que esteja para adoção.

No dia 26 de setembro, foi a vez da cachorrinha Baunilha ganhar um novo lar. Segundo Daniela Cristina Teixeira, do Grupo Vira Lata Adoráveis, a cachorrinha havia sido abandonada na porta da casa de sua vizinha, no centro da cidade, e estava no abrigo à espera de uma nova família.

Dhoje Interior

Após o anúncio do Jornal DHoje, Daniela foi procurada por Tatiana Garuti, que queria presentear um amigo com uma cachorrinha. O amigo, que é médico, reside em outra cidade.

O clínico geral Foad Bauab Neto, que é de Catanduva, mas mora em uma chácara em Icém, foi quem adotou a Baunilha, que hoje se chama Rapariga. Segundo Neto, a cachorrinha é muito arteira e como ele mora em chácara tem bastante espaço para ela brincar. A convivência deles já dura uma mês e, segundo o dono, Rapariga já se adaptou bem ao local. “Ela está destruindo tudo aqui, é muito arteira,” brinca.

Daniela, do Grupo Vira Latas Adoráveis, diz que a procura para adoção é muita e eles costumam verificar sempre as condições da pessoa que se dispôs a adotar. Segundo ela, ainda tem cerca de 15 gatos e 6 cachorros que ainda não foram adotados.

Vira-latas Adoráveis não é um grupo de proteção animal nem é ONG. É uma página que pertence à  Daniela Teixeira, que tem o objetivo de divulgar cães e gatos para adoção.

Segundo Daniela ela criou a página há cerca de um ano, e desde então vem fazendo esse trabalho de divulgar para que os animaizinhos sejam adotados e tenham um novo lar.

Nesse tempo, todos os dias ela faz uma postagem de algum cachorrinho(a) ou gatinho(a) e em torno de 80% do que ela postou, teve resultado e os bichinhos foram adotados e estão em novos lares.

A protetora de animais Gisela Roberta Velani, da ONG Fauna Protetora, informou que tem muitos animaizinhos também esperando um novo lar. Todos os dias, os voluntários da ONG resgatam pelas ruas, por isso os lares temporários estão lotados. “Nossos voluntários conseguem abrigar dois, três animais”, afirma.

Ainda de acordo com Gisela, os voluntários abrigam os “bichinhos” em suas casas e/ou chácaras, mas reforçam na divulgação para que todos tenham um novo lar e possam ser felizes com seus donos.

A ONG Fauna Protetora atualiza todos os dias a quantidade de animais disponíveis para a doação. Cerca de 200 estão disponíveis no momento. “Hoje o número é esse, mas amanhã pode mudar”, afirma.

A Fauna Protetora é uma associação sem fins lucrativos, fundada em 26 de Maio de 2007, por voluntários chamados de “protetores”. Todos que colaboram pela associação são voluntários. O principal objetivo é a defesa e o bem-estar dos animais abandonados.

Os voluntários se reúnem semanalmente no Centro Espírita Francisco de Assis que fica localizado no bairro Romano Calil, em Rio Preto, que cede espaço e os acolhe.

 

De acordo com Gisela, muitos animais ainda estão esperando pela castração ou estão em recuperação de alguma doença, por isso não foram adotados. Os interessados em adotar passam por uma entrevista e, caso fique dúvidas, os voluntários vão até a casa da pessoa para saber se ela realmente tem condições para cuidar do animal.

Janaína PEREIRA – Redação Jornal DHoje Interior