Advogada arremessa R$ 200 e exige ser atendida em salão de cabeleireiro

Uma comerciante, de 49 anos, acionou a Polícia Militar após uma cliente invadir o salão de cabeleireiro, arremessar dinheiro e exigir atendimento mesmo com a restrição de funcionamento do estabelecimento comercial durante a pandemia. O caso ocorreu nesta sexta-feira (5), às 13h30.

Segundo o boletim de ocorrência, a advogada, de 29 anos, entrou no salão de beleza por meio de uma entrada alternativa, pois o estabelecimento se encontrava fechado diante em obediência às normas sanitárias estabelecidas para a contenção da pandemia. A cliente exigia atendimento e se recusava a sair do salão.

Dhoje Interior

A comerciante informou que foi ofendida pela advogada que arremessou a quantia de R$200 exigindo atendimento e que só deixaria o local após ser atendida. Por causa da insistência da mulher, a comerciante ligou para a polícia.

A Polícia Militar compareceu no local e conversou com a mulher. Ela disse apenas que era advogada, em seguida, disse coisas sem nexo e alegou que sairia do salão somente após ser atendida.

Compareceram no salão duas policiais femininas que tentaram convencer a mulher a deixar o estabelecimento, porém não tiveram sucesso. Diante da resistência, houve necessidade de retirar a advogada do estabelecimento, sendo necessário algema-lá.

Posteriormente, a cliente foi levada para a Central de Flagrantes no banco traseiro de uma das viaturas ao lado da policial feminina. Na central a mulher continuou dizendo frases sem nexo e acabou brigando até com o seu advogado.

Por Sue PETEK – Redação Jornal DHoje Interior.