5ª Feirinha do Dignidade movimenta bairro em prol da causa autista

Mães de filhos autistas se uniram para angariar recursos para custear as terapias

A Rua Paulo César Parise será fechada, das 16h às 19h deste sábado, 6, por uma causa solidária: a 5ª edição da Feirinha do Dignidade, organizada por mães de crianças autistas. Haverá sorteio de brindes, degustação e outras novidades.
Desde março, a iniciativa vem conquistando um público fiel e humanizado, graças a diversidade em produtos artesanais que atendem de maneira individual a necessidade de cada um, incumbidos ainda de uma missão.
Tudo começou quando a idealizadora Alexandra Rodrigues Freitas, proprietária da Ale Papelaria Fofa, descobriu o autismo de sua filha Ana Luiza.
A partir dessa descoberta, a mãe saiu do seu então trabalho de 15 anos para se dedicar às terapias necessárias que a filha tinha de passar sistematicamente.

“Encontrei na dor forças para colocar o meu sonho desde criança em andamento; o de ter uma papelaria”, declara.

Foi então que Alexandra se uniu a outras mulheres com a mesma demanda para fazer a ‘Feirinha Empreendedoras do Dignidade’. “Atualmente, temos investido nas redes sociais, mas como nem todos fazem uso delas nossas feirinhas também ocorrem mensalmente”, menciona.
Paloma Gonçalves Brito de Freitas é uma das mães que encontrou no artesanato e nas feiras uma forma de ajudar o filho, de dois anos, também autista. As criações de Paloma são lúdicas, que abraçam o universo particular dos portadores do espectro autista.

“Sabemos que não é possível ensinar um filho autista de forma ríspida. Todas as minhas peças são pedagógicas e lúdicas, produzidos levando em consideração as dificuldades de cada criança. De modo que aquele item irá chamar a atenção da criança fazendo-a assimilar a mensagem pretendida”, conta. Para ela, realizar sonhos é a diferença.

Hoje, a iniciativa agrega 31 empreendedoras. A feira irá conter aparatos de papelaria, crochês, brinquedos, quadros, comidas, brechó, canecas personalizadas, semijoias, laços, cosméticos, e moda em diversas nuances, plantas e artigos de casa.
“Somos mulheres engajadas que, além da necessidade financeira, trabalhamos para fazer nossos filhos desenvolverem de modo contínuo e saudável”, finaliza Alexandra.

 

Daniela MANZANI – Redação Jornal DHoje Interior