Votuporanga registra primeiro caso de chikungunya

Uma mulher de 40 anos, moradora do Jardim Alvorada, foi diagnosticada com chikungunya, em Votuporanga.

O caso foi descoberto em janeiro, mas foi divulgado pela Secretaria de Saúde do município apenas nesta quinta-feira (8).

Segundo a pasta, a paciente passa bem e está sendo acompanhada pelas equipes de Vigilância Sanitária do município.

A suspeita é de que a mulher tenha contraído a doença após uma viagem para o estado do Mato Grosso. Mesmo assim, o setor está realizando uma ação de combate e prevenção em bairros da cidade.

A Febre Chikungunya é uma doença transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. No Brasil, a circulação do vírus foi identificada pela primeira vez em 2014. Chikungunya significa “aqueles que se dobram” em swahili, um dos idiomas da Tanzânia. Refere-se à aparência curvada dos pacientes que foram atendidos na primeira epidemia documentada, na Tanzânia, localizada no leste da África, entre 1952 e 1953.

Os principais sintomas são febre alta de início rápido, dores intensas nas articulações dos pés e mãos, além de dedos, tornozelos e pulsos. Pode ocorrer ainda dor de cabeça, dores nos músculos e manchas vermelhas na pele. Não é possível ter chikungunya mais de uma vez. Depois de infectada, a pessoa fica imune pelo resto da vida. Os sintomas iniciam entre dois e doze dias após a picada do mosquito. O mosquito adquire o vírus CHIKV ao picar uma pessoa infectada, durante o período em que o vírus está presente no organismo infectado. Cerca de 30% dos casos não apresentam sintomas.

Não existe vacina ou tratamento específico para Chikungunya. Os sintomas são tratados com medicação para a febre (paracetamol) e as dores articulares (antiinflamatórios). Não é recomendado usar o ácido acetil salicílico (AAS) devido ao risco de hemorragia. Recomenda‐se repouso absoluto ao paciente, que deve beber líquidos em abundância.

ssim como a dengue, é fundamental que as pessoas reforcem as medidas de eliminação dos criadouros de mosquitos nas suas casas e na vizinhança. Quando há notificação de caso suspeito, as Secretarias Municipais de Saúde devem adotar ações de eliminação de focos do mosquito nas áreas próximas à residência e ao local de atendimento dos pacientes.

Da REPORTAGEM

(Colaborou Arthur AVILA)

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS