Volume de compras com cartão cresce 18%

Na empresa de Junior Carreira, 80% das vendas são por cartão (Foto: Jaqueline BARROS)

O uso de cartões cresceu 18% no 1º semestre de 2019, movimentando R$ 850 bilhões a mais do que no mesmo período de 2018. Segundo dados divulgados pela Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs), os cartões de crédito registraram R$ 534,4 bilhões (alta de 18,8%), os cartões de débito, R$ 308 bilhões (alta de 16%), e os cartões pré-pagos, R$ 7,4 bilhões (alta de 70,4%).

José Cláudio de Oliveira, gerente comercial em uma empresa no ramo de refrigeradores em Rio Preto, disse que as vendas no cartão representam a maior fatia das negociações na empresa.

“De todas as transações financeiras geradas nas nossas unidades, tanto na loja da região do Aeroporto quando na do Jardim Alto Alegre, 70% delas são finalizadas com cartão de crédito ou débito. A segurança é muito maior do que vender por boleto ou cheque”, salientou.

Ainda de acordo com a Abecs, apenas no 2º trimestre, a alta do setor foi 19%, maior crescimento em sete anos (desde março de 2012), com destaque para o uso do cartão de crédito, que cresceu 19,7%.

Júnior Carreira trabalha com sofás e decoração de interiores e afirmou que a digitalização dos pagamentos ganhou destaque na empresa. “Antigamente vendíamos produtos em dinheiro, sem parcelamento. Hoje, esse consumidor não dá mais uma entrada e opta por parcelar a compra em 10 ou 12 vezes. Minhas negociações são: 10% no boleto, 10% no dinheiro e 80% no cartão de crédito”, explicou.

A quantidade de compras com cartões de crédito, débito e pré-pagos no período ultrapassou a marca de R$ 10,3 bilhões, o equivalente a 40 mil transações a cada minuto.

CPMF

A possível aprovação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), o imposto sobre transações financeiras, pode, porém, segurar o crescimento do setor.

“A CPMF pode atrapalhar, sim. Mas não acho que a população vai deixar de usar cartão, depois de aprender a usar um meio de pagamento sem fricção, e voltar a encher o bolso de dinheiro”, afirmou o presidente da Abecs, Pedro Coutinho.

Ele frisou ainda que o assunto é novo e não foi colocado em assembleias da associação.
Concessão de crédito

Análise dos dados da Abecs e do Banco Central mostra que o volume movimentado pelo cartão de crédito no primeiro semestre foi responsável por 68,4% de todo o crédito concedido à pessoa física para o financiamento ao consumo de bens e serviços no Brasil.

Em paralelo ao crescimento dos meios eletrônicos de pagamento, a parcela de brasileiros que usam o cartão de crédito de forma consciente continua alta. Pesquisa da Abecs mostra que 9 em cada 10 consumidores pagam o valor integral da sua fatura e, portanto, não recorrem a nenhum tipo de financiamento.

Além disso, dados do Banco Central mostram que o índice de inadimplência do cartão mantém-se em baixa, chegando a 5,8% em junho de 2019, um dos menores patamares da série histórica e abaixo da taxa de atraso do crédito pessoal (7,4%).

Compras

Os pagamentos realizados pela internet ajudaram a impulsionar o resultado do setor e, ao lado de outras compras não presenciais, já representam 21% do volume movimentado com cartões de crédito. Foram R$ 112,2 bilhões transacionados em canais remotos, com crescimento de 26% em comparação com o 1º semestre de 2018.

Citado por 69% dos consumidores, o celular é o canal de acesso preferido pelos usuários para as compras pela internet, segundo pesquisa da Abecs realizada pelo Datafolha. Em junho do ano passado essa participação era de 58%. Em seguida, estão o laptop (33%), desktop (30%) e tablet (3%). A pesquisa aponta ainda que, independentemente do meio de acesso, 83% dos consumidores usam o cartão de crédito como meio de pagamento nas compras online.

Uso internacional

Segundo dados do Banco Central, o uso do cartão de crédito por brasileiros no exterior somou R$ 16,7 bilhões (US$ 4,3 bilhões), registrando um avanço de 5,3% em relação ao 1º semestre do ano passado. Por outro lado, os gastos de estrangeiros no Brasil tiveram incremento de 2%, chegando a R$ 8,5 bilhões (US$ 2,2 bilhões).

Custo de aceitação

Os números da Abecs mostram que, nos últimos dez anos, a taxa média cobrada nas transações com cartões, conhecida como MDR (Merchant Discount Rate), teve uma redução de quase 25%. Apenas entre o segundo trimestre de 2018 e o mesmo período de 2019, a taxa saiu de 2,12% para 1,91%.

Para a associação, é o reflexo do aumento da concorrência no setor, com a chegada de novas empresas credenciadoras e maior diversificação dos modelos de negócio.

Por Jaqueline BARROS

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS