Uso do preservativo é a melhor arma contra a sífilis

O brasileiro tem se ‘descuidado’ nos últimos anos no quesito sexo seguro. Segundo os últimos dados liberados pelo Ministério da Saúde, a sífilis adquirida (adultos) teve aumento de 27,9% entre 2015 e 2016. Foram registrados 87.593 mil casos da doença em adultos no ano de 2016.

Atualmente a Organização Mundial de Saúde (OMS) calcula que anualmente haja 5,6 milhões de infecções por sífilis no mundo. Os casos de sífilis congênita em bebês (transmitida durante a gestação) também apresentou aumento de 4,7% no Brasil.
Seguindo o nível nacional, Rio Preto também apresenta dados significativos em relação à doença. No ano passado foram registrados no município 489 casos de sífilis em gestantes; 212 casos de sífilis adquirida (adultos) e 328 casos de sífilis congênita.

A sífilis é uma Infecção Sexualmente Transmissível (IST) causada pela bactéria Treponema pallidum. “A sífilis é uma doença que tem aumentado muito nos últimos anos. As pessoas perderam o medo do vírus do HIV, porque sabem que tem o tratamento, e pararam de usar o preservativo”, afirmou Vanessa Negrelli, enfermeira responsável pelo ambulatório de IST no município.

Durante o estágio inicial, a sífilis é uma doença silenciosa, sendo que pode apresentar diferentes sintomas durante os três estágios: sífilis primária, secundária e terciária. “A sífilis às vezes pode passar despercebida, sendo assintomática. Mas os sinais que você pode ficar atento seriam lesões que não saram na boca, pênis ou na vulva, sendo que a lesão não dói, esse é o diferencial da sífilis”, explicou Negrelli.

Os primeiros sintomas da doença podem aparecer de três semanas até três meses da relação sexual, sendo a fase primária da sífilis. Já a fase secundária se dá de três a seis meses, após a contaminação com a bactéria, sendo que nesse período a pessoa pode apresentar manchas vermelhas na pele. Após um ano da contaminação é a fase terciária da doença que pode gerar problemas cardíacos, no sistema nervoso, ossos, músculos e no fígado. “A sífilis é uma doença que tem cura com tratamento, só que se não tratada tem as complicações. O tratamento é fácil, é o uso de antibióticos determinados pelo médico”.

A enfermeira explica que a melhor forma de proteção contra a sífilis é o uso de preservativo durante a relação sexual. Até mesmo o sexo oral sem proteção pode transmitir a sífilis. “A gente orienta que se teve situação de risco, faça o teste. Só assim para saber se está ou não contaminado”. As UBS de Rio Preto disponibilizam de forma gratuita os testes de HIV, sífilis, hepatite B e C, por meio do programa Fique Sabendo.

 

Por Priscila CARVALHO

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS