TST define reajuste salarial dos Correios em 3% e exclui pais de plano de saúde

Justiça concedeu 3% de reajuste para funcionários dos Correios e cortou pais de plano de saúde

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) decidiu nesta quarta-feira, dia 2, que os Correios devem dar um reajuste salarial de 3% aos trabalhadores. A decisão foi durante o julgamento do dissídio da categoria.

O TST também decidiu pela exclusão de pais e mães do plano de saúde da empresa. Essa era uma das principais reivindicações dos trabalhadores.

De acordo com o relator do processo, ministro Maurício Godinho Delgado, a manutenção de pais e mães no plano tinha prazo de um ano, conforme dissídio coletivo fixado anteriormente, tendo o prazo se esgotado.

Entretanto, o TST decidiu por um caminho intermediário, onde pais e mães que estiverem em tratamento continuado seguem cobertos pelo plano. De acordo com a estatal, a manutenção de pais e mães no plano de saúde da empresa custaria cerca de R$ 500 milhões por ano.

Ainda durante o julgamento do dissídio, os Correios devem manter por dois anos as outras cláusulas econômicas e sociais do atual acordo de trabalho da categoria.

Em relação aos dias parados dos funcionários, o TST decidiu descontar dos salários dos trabalhadores. Esses dias serão descontados em três parcelas mensais sucessivas. A greve dos Correios começou no dia 11 de setembro e terminou sete dias depois.

De acordo com Sérgio Pimenta, do Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Correios, Telégrafos e Similares de Rio Preto (Sintect-SP), a decisão era esperada pela categoria.
“Se a empresa estivesse aberta ao diálogo e não tivesse que levar o dissídio a julgamento, poderia ter evitado os dias de paralisação”, afirmou.

Ele ainda comemorou a permanência dos direitos que os funcionários conquistaram com o passar dos anos. “Uma de nossas preocupações era perder todos os direitos que lutamos. Isso pelo menos temos garantido por mais um tempo”, concluiu Pimenta.

Por Vinícius LOPES

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS