Tristeza e comoção marcam o velório da menina Bia

Tristeza e comoção marcaram o velório da menina Beatriz Migliari de Lima Nascimento, de apenas 2 anos de idade. Bia, como era chamada por todos, lutava contra a leucemia linfoide aguda e morreu por volta das 8h da manhã de sábado (13), no Hospital Samaritano, em São Paulo, onde fazia tratamento contra a doença.

O corpo da criança chegou por volta das 3h30 da madrugada de domingo (14) e, segundo a administração do cemitério Jardim da Paz, mais de cinco mil pessoas passaram pelo local para prestar as últimas homenagens à menina.

Sob salva de palmas de aproximadamente 200 pessoas, entre amigos e familiares, o enterro foi realizado no horário programado inicialmente, às 17h.

“A Bia deixou um legado de solidariedade e luta pela vida. Nós vamos continuar com a campanha mobilizando o maior número de pessoas para que outras crianças não passe pelo que ela passou”, comentou Mauro Ferreira Lima, avô de Bia.

Bia foi diagnosticada com câncer aos cinco meses de vida, fez tratamento e chegou a ser considerada livre da doença. No entanto, exames de rotina detectaram a volta da leucemia.

A família promoveu campanhas nas redes sociais pedindo a mobilização do maior número de pessoas para realizar e atualizar o Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (REDOME).

Bia estava internada na ala de isolamento da Unidade de Terapia Intensiva específica para combater a leucemia. A família informou que a menina teve uma septicemia e que o quadro clínico se agravou na noite da última sexta-feira (12).

Da Reportagem

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS