Taxa de mortalidade infantil aumenta em Rio Preto

Um levantamento realizado pela Fundação Seade (Sistema Estadual de Análise de Dados) mostra que Rio Preto apresentou um aumento de 30,29% na taxa de mortalidade infantil quando comparados os dados de 2016 com os de 2017, de 7,13 óbitos por mil nascidos vivos passou para 9,29, o que corresponde a 51 óbitos de crianças menores de um ano. A mortalidade neonatal precoce (até seis dias de vida) foi a que registrou a maior taxa, 4,4, enquanto a de pós-natal (28 dias a 11 meses) ficou em 3,1 óbitos por mil nascidos vivos.

Quando levado em consideração os últimos 17 anos (2000/2017), percebe-se que a taxa de mortalidade infantil em Rio Preto oscila bastante. De ano em ano, são observados tanto aumentos como redução. Diante dessa variação, 2004 foi o ano em que a cidade teve a maior taxa de mortalidade infantil, chegou a 13,23 óbitos por mil nascidos vivos. Já o menor foi registrado em 2015, com 6,87.

Apesar do aumento da taxa de mortalidade infantil de 2017 para 2016 na cidade, a taxa é a segunda mais baixa quando levado em consideração os resultados obtidos no ano passado com base nos Departamentos Regionais de Saúde e Municípios (DRS). O de Rio Preto, com 8,2, fica atrás apenas do de Franca que registou a taxa de 8,1 óbitos por mil nascidos vivos. A DRS de Rio Preto apresentou o total de 151 óbitos infantis. Das 101 cidades que fazem parte do departamento, 57 não apresentaram nenhum óbito infantil, é o caso de cidades, como por exemplo, Adolfo, Bady Bassit, Ipiguá e Jaci.

São Paulo

Em 2017, o Estado de São Paulo apresentou a menor taxa de mortalidade infantil desde 1900. No século passado, a taxa tinha altos índices e oscilava de 150 a 250 óbitos de menores de um ano por mil nascidos vivos. A partir de 1940, o estado representou anualmente queda contínuas. No ano passado, a taxa de mortalidade infantil ficou em 10,74 óbitos por mil nascidos vivos.

O Estado de São Paulo tem 645 municípios. Desse total, no ano passado, 182 não registraram óbitos infantis, 273 tiveram a taxa de mortalidade maior que a do Estado e 163 municípios apresentaram taxas com apenas um dígito, isto é, inferiores a 10 óbitos por mil nascidos vivos. Os dados foram elaborados pela Fundação Seade com base nas informações dos Cartórios de Registro Civil de todos os municípios paulistas.

Por Leandro BRITO

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS