Tarifa de energia vai subir para cobrir déficit do setor elétrico

Uma proposta da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) nesta terça-feira (7) pode custar R$ 1,4 bilhão nos bolsos dos consumidores. A medida, que ainda passará por uma audiência pública para definir o reajuste entre os dias 8 e 28 de agosto, será repassada por meio da conta de luz.

De acordo com a Aneel, o aumento na tarifa de energia começa nesta terça-feira (7) para as tarifas que já foram reajustadas. Em nota, a CPFL (Companhia Paulista de Força e Luz) informou que a revisão no orçamento da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) só será percebida pelos consumidores a partir do Reajuste Tarifário Anual (RTA) em abril do ano que vem.

O aumento foi uma proposta da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), que verificou que o orçamento da CDE não seria suficiente para quitar todas as despesas de 2018. Um dos fatores que levaram ao reajuste foram os empréstimos dados às distribuidoras da Eletrobras que serão privatizadas em breve, e que por esse motivo reduziu o repasse de recursos da Reserva Geral de Reversão (RGR). Outro fator foi o aumento no gasto com subsídios para a população de baixa renda e irrigantes.
O custo total da CDE atualmente é de R$ 18,8 bilhões e passará a ser R$ 19,6 bilhões, um acréscimo de mais de R$ 700 milhões. (Colaborou: Vinicius LIMA)

 

Da REPORTAGEM

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS