Solidariedade: Projeto inédito na região vai reabilitar moradores de rua

Foto Divulgação

Com o serviço de terraplenagem iniciado e o lançamento da pedra fundamental previsto para o período da tarde do próximo dia 18, está em andamento um empreendimento assistencial inédito na região cujo público alvo é formado por moradores de rua do sexo masculino.

O local escolhido foi uma área de 54 mil metros quadrados, doada por um fiel da Igreja
Presbiteriana de Rio Preto, na divisa do município com Guapiaçu, com acesso pelo quilômetro 13 da BR-153.

Pelo projeto, a construção será modular, o que permitirá o início dos trabalhos de forma
gradativa. A expectativa é que comece a funcionar parcialmente a partir do final do primeiro semestre de 2019. O prazo estimado para que a obra seja finalizada é fim deste ano ou primeiro trimestre de 2020.

Com previsão de 5 mil metros quadrados de área construída, a casa deve abrigar 17 quartos com banheiro, templo, farmácia, consultório médico, atendimento odontológico, sala de TV e de jogos, além de biblioteca.

Estão previstas cinco refeições diárias para 60 internos. A duração mínima do programa
gratuito de recuperação é de sete meses. Com três décadas de experiência, a ONG Missão Vida, com sede em Anápolis (GO) e atuante em seis estados, será a responsável pela administração do projeto, que terá apoio da Igreja Presbiteriana rio-pretense.

“A ideia é que eles abandonem os hábitos antigos e desenvolvam habilidades profissionais,
fechando um ciclo completo, que contempla suporte espiritual e auxílio na reintegração social”, explica o pastor Misael Batista do Nascimento, presidente do Conselho da Igreja Presbiteriana de Rio Preto.

Ele acrescenta que como se trata de um público específico, as terapias tradicionais têm um
baixo índice de sucesso. “Faremos a abordagem do ser humano por inteiro, analisando
caso a caso e olhando para essa pessoa como um todo único que é. Necessidades espirituais e cuidados terapêuticos, psicológicos e psiquiátricos serão levadas em consideração para que o acolhimento seja eficiente”, enfatiza.

De acordo com o pastor, desde o início os internos serão inseridos em rotinas de trabalho
no local. “Há espaços para que aprendam a plantar, colher, construir. Durante os meses
em que permanecerem ali vão realizar atividades e aprender profissões, num primeiro momento simples, recebendo capacitação”, destaca.

Conforme o líder religioso, haverá três espaços diferenciados na casa e os internos que estiverem prontos para reinserção na sociedade ficarão na última instalação, onde receberão, inclusive, suporte financeiro. “A meta é buscar parcerias com empresas para dar uma oportunidade de emprego para que essas pessoas tenham como assumir uma vida produtiva”, ressalta.

NÚMEROS
Levantamento da Secretaria Municipal de Assistência Social revela que, hoje, Rio Preto tem
registrados 739 moradores de rua, dos quais 350 fixos e os demais trecheiros (variam seus
pontos entre os municípios, estão de passagem).

Atualmente, a Pasta faz um trabalho diuturno com abordagem e encaminhamento para
o Centro Pop, UBSs e outros pontos de assistência. Com o início do projeto a proposta é
que a Secretaria faça a triagem dos moradores de rua que serão atendidos na Missão Vida.

Para o administrador da casa, Evangelista dos Anjos, “não há recuperação sem amor e gratidão. Somos chamados para essa missão. A pessoa está na rua por rejeição, drogas, álcool. Perde o estímulo pela vida. É preciso compreender e tratar”.

 

Por Daniele JAMMAL

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS