Cai o número de acidentes com escorpiões em Rio Preto

A maior incidência é na região central da cidade

Mesmo com os números em queda, se comparados com o mesmo período de 2018, os casos de picadas de escorpião ainda preocupam a Vigilância Epidemiológica de Rio Preto. Segundo dados da Secretaria de Saúde do Município, até o último dia 18, foram registrados 487 acidentes escorpiônicos no ano, contra 547 notificações em 2018.

“Comparando-se ao mesmo período do ano passado, podemos afirmar até o momento, em uma série histórica crescente de mais de 10 anos, o número de acidentes está estabilizado. Apesar de ainda ser um número alto, demonstra que as ações executadas pelos agentes ambientais estão surtindo efeito, destacando-se o manejo ambiental executado em parceria com outras secretarias, visitas domiciliares, ações de educação e captura noturna dos escorpiões”, destacou Abner Henrique de Souza Alves, gerente da Vigilância Ambiental.

A pasta ainda destacou que não foram registrados casos fatais na cidade. Considerando que crianças são grupo de risco para acidentes envolvendo escorpiões a Secretaria Municipal de Saúde possui protocolo de atendimento prioritário para estes casos.

Lembrando que todo acidente escorpiônico é de notificação obrigatória, cuja responsabilidade para o encaminhamento à Secretaria Municipal de Saúde compete à unidade que realizou o atendimento médico.

A maior incidência de casos se dá em bairros da região central de Rio Preto. E a menor incidência, em bairros da região da Represa.

A orientação do Departamento de Vigilância Ambiental da Secretaria de Saúde de Rio Preto aos moradores é que vedem bem soleiras de portas com borracha ou um pano, manter o quintal limpo, sem a presença de entulhos ou madeiras, olhar dentro de sapatos ao calçá-los e usar luvas de couros durante a prática de jardinagem são dicas simples, mas que podem evitar o ataque de escorpiões.

De acordo com Abner, o aparecimento de escorpiões é comum nesta época do ano, em que predominam as altas temperaturas.

“Em geral, os escorpiões são encontrados na área urbana porque têm abrigo (tijolos, restos de construção, madeira e telhas) e alimentação fácil, especialmente os insetos (baratas). O escorpião geralmente se protege por meio da picada, o que ocorre se provocado por meio de pisadas ou toques”, explica Abner.

No caso de picadas, a orientação da Secretaria de Saúde, principalmente em crianças e idosos, é procurar serviço médico na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) mais próxima à residência o mais breve possível para atendimento e avaliação da gravidade.

Em Rio Preto, a referência para aplicação de soro nos casos de acidentes envolvendo animais peçonhentos é o Hospital de Base.

No município predominam dois tipos de escorpião, o preto e o amarelo.

Moradores de Rio Preto que necessitem de orientação ou tenham registrado a presença de escorpiões podem fazer uma solicitação direto ao Disque Saúde pelo telefone 0800-7705870, que funciona de segunda a sexta-feira, das 8 horas às 17 horas. A ligação é gratuita. “Um técnico irá até o local para inspeção e orientações”, afirma Abner.

 Jaqueline BARROS

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS