SAÚDE E SEXUALIDADE: “Sinto um bloqueio”… Como curar a sexualidade da mulher …

Muitas pessoas acham que ao falar de sexualidade estamos falando de sexo, mas é importante entender que sexo se refere a definição dos órgãos genitais, masculino ou feminino, ou também pode ser compreendido como uma relação sexual, enquanto que o conceito de sexualidade está ligado a tudo aquilo que somos capazes de sentir e expressar. Abaixo vamos conhecer o Conceito da Organização Mundial de Saúde.

“A sexualidade faz parte da personalidade de cada um, é uma necessidade básica e um aspecto do ser humano que não pode ser separado de outros aspectos da vida.

Sexualidade não é sinônimo de coito (relação sexual) e não se limita à ocorrência ou não de orgasmo. Sexualidade é muito mais que isso, é a energia que motiva a encontrar o amor, contato e intimidade e se expressa na forma de sentir, nos movimentos das pessoas, e como estas tocam e são tocadas. A sexualidade influencia pensamentos, sentimentos, ações e interações e, portanto, a saúde física e mental. Se saúde é um direito humano fundamental, a saúde sexual também deveria ser considerada um direito humano básico”.

Depois de trabalhar por um tempo com Coach de empoderamento, relacionamento e sexualidade para mulheres e casais, costumo ouvir algumas frases. Frases que se repetem em determinados estereótipos e padrões que desencadeiam certos comportamentos. Uma queixa muito comum quando a sexualidade da mulher começa a se transformar é a sensação de se sentir presa ou travada no momento de vivenciar seu sexo. “Sinto como se fosse um bloqueio”, elas dizem com certa frequência, quase sempre levando a mão em direção ao peito, como se o bloqueio inclusive estivesse ali.

E isso acontece independente do grau de satisfação que a mulher consiga atingir na sua vida sexual, é um relato que vem tanto de mulheres anorgásticas quanto daquelas que experienciam o orgasmo com uma certa frequência.

Essa sensação que existe algo dentro do corpo que reprime o potencial da sua experiência.

E claro, consequentemente, a mulher se sente menos entregue, muitas vezes menos presente e fica com uma grande sensação de que algo deve estar muito errado dentro do seu corpo.

Para abrir os olhos da mulher precisamos ir um pouco além das dica e macetes que sempre ajudam e entender um pouco da fisiologia de uma resposta sexual saudável, de uma mudança no subconsciente desta mulher em relação ao amor próprio, a melhora da autoconfiança e da autoestima.

O Bloqueio
Quando você analisa um grupo de crianças de 2 a 10 anos nota-se a liderança das meninas e a sua igualdade, mas ao longo dos anos essa força vai dando lugar à vergonha e com tempo a dificuldade em vivenciar sua sexualidade na plenitude, seu amor próprio e sua confiança. Nossa autoestima é construída ao longo de nossa vida, por isso devemos repensar frases que sempre dizemos às nossas filhas, para não prejudicar a autoconfiança da mulher.

Além disso algo acontece ao longo da experiência sexual das mulheres que elas se sentem travadas, como se a sua energia sexual não se movesse com fluidez …

A mulher tem visão periférica que dá a condição de fazer ou pensar e várias coisas ao mesmo tempo, o que pra vida sexual dela é péssimo, pois muitas vezes ela começa a notar distrações na experiência sexual.

Como o som dos vizinhos, o barulho da rua ou até a torneira pingando tudo isso acontece, ela capta rapidamente a atenção da mulher. E consequentemente os estímulos que deveria dar prazer de repente não são mais sentidos ou percebidos.

A mulher sente como se não conseguisse se entregar para experiência, como se algo faltasse, como se sentisse bloqueada para sentir algo mais intenso.

Esse sinal de atenção direcionada para fora e baixa informação sensorial é a adrenalina chegando com força no corpo da mulher. Ela prepara o corpo para uma experiência de alerta, de luta ou fuga e toda enervação parassimpática que sustenta o processo excitatório é desligada.

Outro fator está relacionado a forma em que ela se vê, geralmente observa todos os defeitos e erros do seu corpo e vai com esse turbilhão de sentimentos e pensamentos para o momento íntimo.

O que coloca a sexualidade da mulher nessa experiência é multidisciplinar, cada história, cada pessoa vai possuir uma série de gatilhos de acordo com seus traumas de vida, por isso a importância de procurar mudanças e ajuda, pois somos seres únicos e diferentes em sua totalidade.

Muitas vezes são crenças limitantes que levam as mulheres a esses bloqueios, precisamos entender que sensualidade, autoestima e autoconfiança não estão relacionadas ao corpo belo ou idade e sim a coragem de mudar e de despertar seus pontos positivos.

Como tratar as marcas que estão no corpo e no subconsciente desta mulher

Existe uma infinidade de caminhos terapêuticos, uns mais corporais outros verbais.
Comece falando com seu ginecologista e entenda que saúde é primordial. Outro fator é aceitação do seu corpo. de sua parte íntima.

Existe uma terapia corporal que visa a regulação do sistema nervoso vegetativo por meio de equilíbrio da energia sexual, a chamada Terapia Tântrica.

Faça o exercício de mudar seu pensamento elogie-se, olhe no espelho, procure seus pontos positivos e os reverencie.

Não se apegue tanto a detalhes alguns homens até sabem o que é uma celulite, uma estria ou até uma gordurinha sobrando, mas para eles não têm o mesmo peso que para mulheres, então permita seu parceiro explorar seu corpo.

Tenha bons hábitos, faca atividade física, faça pompoarismo (ginastica íntima na loja Santa Ajuda tem o curso 17-3121-9915 ou 17-981216641).

O pompoarismo diminui cólicas e período menstrual,diminui os sintomas da menopausa, ajuda na preparação do parto e recuperação pós-parto, melhora o funcionamento do intestino, trata incontinência urinária, combate a flacidez vaginal e aumenta a intimidade da mulher com parceiro e com ela própria.

E você pode também fazer sessões de coach em sexualidade, empoderamento e relacionamento.

(Consulte-me pelo insta @mirnazelioli)
Seja como a borboleta, abra suas asas. Confie em si. Se ame e mostre ao mundo toda sua beleza.

Mirna Zelioli – Formada em pedagogia e sexóloga em formação e palestrante em vendas. Gestora comercial, sensual coach, empresária do mercado erótico, criadora do projeto SAT (Sexualidade Amor pra Todos), Projeto de Inclusão, projeto CEL (Coragem e Empoderamento e Libertação).

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS