Sete novos agentes são empossados pela Guarda Civil Municipal de Rio Preto

A posse aconteceu no auditório Juan Bérgua, no prédio da prefeitura

A Guarda Civil Municipal de Rio Preto agora conta com mais sete novos agentes, que totalizam 238 guardas na corporação. Durante a manhã de hoje os novos integrantes tomaram posse dos cargos na Prefeitura e contou com a presença de autoridades políticas e do efetivo da Guarda.

Essa já é a quarta convocação de agentes para a Guarda Civil, que iniciou os trabalhos há 11 anos em Rio Preto, durante o mandato do atual prefeito, Edinho Araújo (PMDB), em 2006. Atualmente a corporação trabalha com um déficit de cerca de 1.060 guardas, já que o teto pela lei seria de 1300 agentes para a população de 450 mil habitantes. Porém para o Diretor da Guarda Civil Municipal, Silvio Pedro da Silva, esse déficit não tem prejudicado a segurança da população. “Paulatinamente está crescendo a guarda, paulatinamente também estão sendo cada vez mais capacitados e nós temos algo que nos ajuda muito hoje em dia, pois antigamente só tinha o serviço braçal mesmo, hoje você tem a tecnologia a seu favor. Então quanto mais pontos tiverem câmeras inteligentes, mais segurança também e uma resposta maior para a sociedade e mais rápida a gente tem”, disse Silva.

Hoje era a data limite para a convocação dos agentes que aguardavam por esse momento desde o ano passado. Agora 20 agentes aprovados no concurso, feito em 2015, esperam que o prefeito prorrogue a validade para que ainda possam ser convocados. “Eu tenho uma decisão ainda a tomar com relação aos vinte outros guardas que já prestaram o concurso e vou analisar a questão orçamentária e financeira e tomar uma decisão junto com o poder legislativo”, disse o prefeito Edinho Araújo.

Por outro lado para o diretor da Guarda o interessante de se prorrogar por mais um ano esse concurso seria pela questão da economia. “Você já economiza um possível novo treinamento, então você já pagou quem os treinou e você tem eles a mão e pode chamar a qualquer momento. Porque acontece uma certa rotatividade, tem alguns guardas que prestam outros concursos, vão embora e então fica uma lacuna. Para preencher essa lacuna já teríamos esses 20 também”, comentou Silva.

Para Gabriel Daud, um dos sete novos integrantes que foi empossado, os aprovados aguardavam há cerca de um ano e desde que os sete foram convocados já se passaram três meses. Após a convocação no final do ano, Gabriel precisou pedir demissão para então ser um GCM, “Eu estava trabalhando em uma empresa registrado e no final de dezembro teve a convocação para posse no final de janeiro. Eles falaram para pedirmos demissão e dar baixa das carteiras, até então eu estava desempregado”, afirmou Daud. Porém, depois de tanta expectativa, ele comemora o momento. “Agora é trabalhar, ser feliz e proteger Rio Preto”, concluiu Daud.

Por Priscila CARVALHO

SEM COMENTÁRIOS