Sertanejo Matheus Gabriel vai a Goiânia começar novo projeto

Após lançar o single ‘Bom Negócio’, o cantor sertanejo rio-pretense Matheus Gabriel se prepara para soltar a voz em um EP com 7 músicas inéditas. O projeto que será encabeçado pelo produtor musical Dudu Oliveira, o mesmo de Zé Neto & Cristiano, começará este final de semana, em Goiânia, e será concluído até o final deste ano.

“No decorrer da minha carreira conheci várias pessoas da área, até que fui apresentado ao Dudu e ele me ajudará nessa nova empreitada, será ele quem irá produzir esse trabalho. Por isso estou indo para Goiânia”, explica o cantor.

Dhoje Interior

Com 24 anos de idade, o sertanejo se diz otimista com o novo trabalho. “Estamos trabalhando nesse projeto há muito tempo e com muita dedicação”, ressaltou. O cantor explicou também que esse novo projeto será focado 100% na internet, usando todas as plataformas digitais para a divulgação.

“As redes sociais precisam ser usadas a nosso favor, né?! Aproveito que fui muito bem aceito no Instagram e mostro meus trabalhos lá. Vou recebendo um feedback positivo, assim vejo que estou no caminho certo”, frisou.

Com seis anos de carreira, ele já fez shows por toda a região. “Em Rio Preto já cantei em todos os bares da cidade, e quando ia participar de eventos maiores, começou a pandemia, aí tive que mudar meus planos”, comenta Matheus.

Segundo ele, a quarentena trouxe bons frutos para sua vida. “A pandemia veio para nos reinventar, e eu aproveitei isso e dei um passo muito grande, tanto na vida profissional, como pessoal. Saí da minha zona de conforto. Se não fosse a pandemia, não teria almejado certas coisas que estou fazendo hoje, como por exemplo, ter virado digital influencer e feito campanha para várias marcas”, explica o cantor, que tem quase 15 mil seguidores no Instagram.

O produtor musical, Dudu Oliveira, é quem vai assinar o novo projeto de Matheus Gabriel. Ele já trabalhou com várias celebridades importantes no cenário nacional, como os rio-pretenses, Zé Neto & Cristiano.

Do coral da igreja para os palcos

A música entrou muito cedo na vida de Matheus Gabriel, aos 5 anos. “Minha família é toda do sítio, meu avô já teve uma dupla sertaneja há muitos anos atrás. Meu tio também cantava, porém nenhum deles seguiu com a carreira, por conta de todas as dificuldades”, conta ele, que faz questão de sempre lembrar como tudo começou. “Quando ia para o sítio dos meus avôs, em Suzanápolis, enquanto meus primos todos estavam brincando, eu estava com o violão do meu avô, e ele sempre dizia: esse menino tem o dom para a música. Foi ai que ele me deu um violão de presente e tudo começou”, conta o cantor.

Após ganhar um violão, Matheus começou a fazer aulas com o professor Maycon Moreira e aos 7 anos de idade, quando entrou para a catequese, na igreja, já foi chamado para cantar no coral de Nossa Senhora Aparecida. “Lá eu me destaquei e continuei cantando até os 12 anos”, lembra o sertanejo.

Matheus comenta que sempre quis ser cantor, mas que para ele isso era algo muito distante e que só começou a ver possibilidades nessa carreira, aos 18 anos, quando fez Tiro de Guerra. “Para mim o sonho de ser cantor era impossível, meu pai sempre trabalhou muito e me ensinou a trabalhar desde cedo, comecei muito novinho, trabalhando como ourives. Ai quando fiz Tiro de Guerra, em uma das guardas, um amigo me escutou cantando na guarita, achou que eu cantava muito bem, e me convidou para participar de um show dele que seria naquela noite, no 360 Bar, e eu fui. Cantei três músicas e de lá pra cá não parei mais  e as coisas foram acontecendo”, explica.

Hoje, além de cantor, Matheus Gabriel também é compositor e relembra a primeira pessoa que o abriu as portas para analisar seu trabalho. “Cantei dos 18 aos 22 anos só em barzinhos, fazendo voz e violão. Foi ai que decidi pegar um ônibus e ir para Goiânia tentar a sorte. Chegando lá fui batendo de porta em porta em todos os estúdios, mesmo sem conhecer ninguém. E todo mundo fechou as portas para mim, até que cheguei no estúdio do Blener Maycon, que foi o produtor do Cristiano Araújo e hoje é do Felipe Araújo, e ele foi super atencioso comigo, gostou demais da minha atitude de ter ido atrás dos meus sonhos e começou a me explicar bastante coisa, sobre como eu deveria prosseguir e a maneira correta de trabalhar nesta área”, conta.

Depois de um ponta pé inicial que teve em Goiânia, Gabriel voltou para Rio Preto, procurou Felipe Xavier para ser seu empresário e começou a galgar novos horizontes, até chegar ao produtor Dudu Oliveira, com quem vai trabalhar neste projeto atual.

Por Daniel RONDANO – Redação jornal DHoje Interior